Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Ministro do Esporte admite: ‘Não entendo profundamente da área’

George Hilton - radialista, apresentador de televisão e animador - é deputado federal mineiro do PRB, ligado à Igreja Universal e diz que sua 'fé religiosa grande e inquebrável' não será obstáculo para a condução da pasta

Por Da Redação 2 jan 2015, 15h03

Alvo de críticas de quem é ligado ao esporte e vaiado na quinta-feira durante cerimônia de posse no Palácio do Planalto, o novo ministro do Esporte, George Hilton, assumiu a pasta oficialmente nesta sexta-feira em evento esvaziado de atletas e também de representantes do primeiro escalão do governo. No seu discurso, o deputado federal mineiro do PRB admitiu não ser familiarizado com o assunto. “Gostaria de tranquilizá-los para dizer: posso não entender profundamente de esportes, mas entendo de gente. Eu sei ouvir as pessoas, sei dialogar”, disse o ministro, prometendo usar sua habilidade política para tocar a pasta. Hilton é radialista, apresentador de televisão e animador. “As críticas não me abatem, me impulsionam a empurrar a mim mesmo a realizar proezas.”

Leia também:

Novo ministro de Dilma, George Hilton, decepciona atletas

Com indicado ao Esporte sob pressão, PRB ameaça romper com governo

Nova leva de ministros repete velhos vícios da política

Aldo Rebelo (PC do B-SP) passou o cargo a Hilton e minimizou a falta de familiaridade do sucessor, destacando a experiência da equipe técnica. As críticas ao novo ministro, disse Rebelo, são “parte da democracia”. Hilton se recusou a dar entrevistas ao final do evento de transmissão do cargo e recebeu cumprimentos de convidados em uma sala reservada, sem a presença da imprensa.

Continua após a publicidade

Plataforma – Com a falta de outras personalidades do esporte, Hilton quebrou o protocolo e pediu que o jogador de vôlei de praia Emanuel subisse ao palco – ele é casado com a ex-jogadora Leila, filiada ao PRB-DF. A plateia tinha servidores do Ministério, representantes de confederações esportivas e políticos. A ministra de Direitos Humanos, Ideli Salvatti, chegou nos dez minutos finais do discurso de Hilton. Ligado à Igreja Universal, ele garantiu que sua “fé religiosa grande e inquebrável” não será obstáculo para a condução do Ministério.

Leia também:

Dilma assume novo mandato para fazer o contrário do que pregou na campanha

Dilma bate recorde de partidos aliados em ministérios

O ministro, de 43 anos, nascido na Bahia, destacou avanços dos últimos doze anos na questão social e defendeu a “democratização” do esporte e seu uso como instrumento de inclusão. “Vou dar atenção especial ao esporte social, ao esporte inclusão, educacional e comunitário.” Disse ainda que a tônica da sua gestão será o esporte de base e prometeu trabalho intenso pela prorrogação da Lei de Incentivo ao Esporte, que vence em 2015. Afirmou que nos próximos dias vai tratar com a Casa Civil a questão da dívida de clubes de futebol e prometeu se empenhar para valorizar o futebol feminino.

O apoio aos atletas que vão disputar os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016, segundo ele, será mantido, com continuidade dos programas Bolsa Pódio e Bolsa Atleta. Também será mantido o programa de controle de dopagem. “Estou assumindo não só o compromisso de manter o que muito bem tem sido feito, mas especialmente de aperfeiçoar, ampliar e democratizar tudo o que vem sendo feito dentro do esporte.”

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade