Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ministro da Justiça diz que PF investigará crimes do escândalo da Fifa no Brasil

José Eduardo Cardozo disse que "é do interesse do Brasil" que os fatos relacionados à CBF e à organização da Copa do Mundo sejam esclarecidos

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou na manhã desta quinta-feira que o governo brasileiro também vai apurar o escândalo de corrupção no futebol mundial investigado pelos Estados Unidos, e que envolve a CBF e a realização da última Copa do Mundo, no Brasil. “A Polícia Federal, que nos últimos anos tem se notabilizado por uma postura absolutamente republicana, também o fará na investigação envolvendo Copa do Mundo. Portanto, vamos ter clareza: não importa onde ocorreram ilícitos. Não importa que tipo de contratos ou pessoas envolvidas, a apuração será, sim, feita”, disse Cardozo.

À tarde, o Ministério soltou uma nota: “Por solicitação do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a Polícia Federal abre hoje (28) um inquérito para investigar se foi praticado no Brasil crime relacionado ao suposto esquema de corrupção envolvendo dirigentes de futebol. O processo tramitará na Superintendência da PF no Rio de Janeiro. A decisão foi comunicada ao gabinete do Procurador Geral da República, Rodrigo Janot. Carodozo e o procurador-geral vão se reunir nos próximos dias para acertar detalhes sobre o assunto.”

Leia também:

Joseph Blatter avisa: ‘Mais notícias ruins virão’

Uefa pede renúncia de Blatter e declara apoio a opositor

Pressionado, Blatter cancela participação em evento da Fifa

Blatter diz que Fifa iniciou as investigações

Fifa nega envolvimento e Blatter mantém eleição

Cardozo disse não poder comentar se já existe algum inquérito sobre o tema na PF. “Se houver inquéritos abertos, não posso comentar, porque eles correm em sigilo.” Ele também disse que o governo brasileiro não decidiu se pedirá o retorno de José Maria Marin, ex-presidente da CBF, preso durante a operação do FBI na Suíça. “Vamos analisar os fatos antes de qualquer definição. Qualquer afirmação agora seria precipitada.”

(com Estadão Conteúdo)