Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Milan pode ser vendido de novo, agora a um grupo do Bahrein

Gestora de ativos Investcorp tem negociações avançadas com o gigante italiano, que está perto de encerrar jejum de 11 anos

Por Da Redação Atualizado em 15 abr 2022, 18h44 - Publicado em 15 abr 2022, 18h39

Se no Brasil a moda das Sociedades Anônimas de Futebol (SAFs) está apenas no início, na Europa a gestão de clubes-empresa já é bastante comum. Tal qual Botafogo e Cruzeiro por aqui, o Milan é um gigante do futebol italiano em busca de renascimento. O time, aliás, lidera o Campeonato Italiano e busca encerrar um jejum de títulos que já dura 11 anos. Neste viés de alta, o Milan recebeu uma boa proposta para mudar de dono (mais uma vez).

Segundo informações da agência Reuters nesta sexta-feira, 15, a gestora de ativos Investcorp, com sede no Bahrein, está em negociações avançadas para comprar o clube de Milão do atual proprietário, o fundo de investimentos americano Elliott Management Corporation.

Por ora, o Milan, bem como as duas empresas envolvidas, não confirma a informação passada à Reuters por uma fonte próxima à negociação. A Investcorp, domiciliada no Bahrein e com escritórios escritórios em diversos países, é presidida pelo empresário Mohammed Alardhi, de Omã, e administra mais de 42 bilhões de dólares em ativos.

Sete vezes campeão da Liga dos Campeões, o Milan atravessa mais de uma década de turbulência financeira e esportiva. Em 2017, o clube foi vendido por 740 milhões de euros (2,5 bilhões de reais na cotação da época) ao empresário chinês Li Yonghong, pondo fim à vitoriosa era Berlusconi – o magnata e ex-primeiro ministro italiano Silvio Berlusconi presidia o time desde 1986. 

Continua após a publicidade

Silvio Berlusconi
Fim de uma era: Silvio Berlusconi vendeu o Milan em 2017 Claudio Villa/Getty Images/Getty Images

O grupo chinês, porém, não conseguiu assumir todas as dívidas e, após punição por violação às regras do Fair Play financeiro da Uefa, repassou o controle da gestão ao fundo de investimentos Elliott Management. O time conseguiu, ao menos, voltar às competições europeias e, neste ano, pode reconquistar o scudetto de campeão italiano. Faltando cinco rodadas, a equipe rubro-negra lidera a Série A com 71 pontos, dois a mais que a rival Inter de Milão. 

Além do Milan, diversos outros gigantes europeus foram comprados por investidores estrangeiros nos últimos anos. A atual campeã Inter é propriedade da empresa chinesa Suning Holdings Group. Ainda na Itália, Roma, Fiorentina e Atalanta também têm donos americanos.

Investidores do Oriente Médio também estão no jogo: a Qatari Sports Investments, subsidiária do fundo soberano do Catar, é proprietária do Paris Saint-Germain, enquanto o Manchester Cityé controlado pelo Abu Dhabi United Group, dos Emirados Árabes Unidos. Mais recentemente, o Newcastle United, da Inglaterra, foi comprado pelo Fundo de Investimento Público da Arábia Saudita.

Os casos são constantemente tratados como mecanismos de sportwashing, termo que define o uso do esporte como forma de melhorar a imagem de países encrencados em denúncias de violação aos direitos humanos.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)