Clique e assine a partir de 8,90/mês

Mick Schumacher se diz ansioso para estreia na F1: ‘Mal posso esperar’

Membro da Academia de Pilotos da Ferrrari, filho do heptacampeão pilotará um Alfa Romeo no primeiro treino livre em Nurburgring, no próximo dia 9

Por Da Redação - Atualizado em 5 out 2020, 14h21 - Publicado em 2 out 2020, 10h28

Mick Schumacher, filho do heptacampeão mundial Michael Schumacher, se mostrou ansioso e confiante, uma semana antes de sua estreia oficial em GP de Fórmula 1. O piloto alemão de 21 anos, que pertence a academia da Ferrari, guiará pela Alfa Romeo, no lugar do titular Antonio Giovinazzi, no primeiro treino livre do GP de Eifel, no circuito de Nurburgring, na Alemanha, no próximo dia 9.

“Estou muito feliz por ter esta chance. O fato de minha primeira participação em um fim de semana de Fórmula 1 acontecer na frente do meu público em Nürburgring torna este momento ainda mais especial”, afirmou o jovem, que é o atual líder da Fórmula 2 pela equipe Prema e favorito a uma vaga de titular da Alfa Romeo em 2021, provavelmente ao lado do finlandês Kimi Raikkonen.

Na última quarta-feira 30, a Academia Ferrari convocou Mick Schumacher e outros dois pilotos que participarão de treinos livres na temporada 2020, o russo Robert Shwartzman e o inglês Callum Ilott, para um teste coletivo na pista particular de Fiorano, com o carro de 2018 da escuderia italiana. O alemão aprovou a experiência e se disse ansioso para pilotar um Fórmula 1 para valer.

“Em Mugello, eu pilotei um F2004, um carro incrível, mas bastante obsoleto para os padrões atuais. Assumir o volante de um carro híbrido de 2018 me permitiu entender a importância da eletrônica para a unidade de potência e quanto progresso a Fórmula 1 fez em termos de aerodinâmica. Mal posso esperar para entrar no cockpit na Alemanha. Será bom participar de uma sessão de treinos pela primeira vez na frente da minha torcida. Na equipe ainda estão alguns mecânicos que trabalharam com meu pai, o que vai tornar o dia ainda mais especial.”

Mick, que sempre cita o pai como referência e maior incentivador no automobilismo, estava esquiando nos Alpes franceses junto com Michael Schumacher já aposentado, em dezembro de 2013, quando o maior campeão da F1 sofreu uma queda e bateu com a cabeça em uma pedra – o impacto abriu o capacete de proteção que usava. A partir daquele momento, Schumacher iniciou uma batalha pela vida e ainda se recupera, recluso em sua mansão na Suíça. Seu estado de saúde é mantido em sigilo pelos familiares.

Continua após a publicidade
Publicidade