Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Messi é condenado a 21 meses de prisão por fraude fiscal na Espanha

Pai do jogador recebeu a mesma pena. Os dois, porém, devem escapar da prisão com o pagamento de multas

Por Da Redação
Atualizado em 4 jun 2024, 23h02 - Publicado em 6 jul 2016, 08h24

O astro Lionel Messi e seu pai, Jorge, foram condenados a 21 meses de prisão por um tribunal de Barcelona nesta terça-feira. Os dois foram considerados culpados de três acusações de fraude fiscal, informou o tribunal em comunicado. Cabe recurso contra a sentença junto à Suprema Corte da Espanha.

No entanto, sob a lei espanhola, uma sentença de prisão menor que dois anos pode ser servida sob condicional, o que significa que Messi e seu pai provavelmente não irão à prisão. O tribunal ordenou que Messi pague uma multa de cerca de 2 milhões de euros (cerca de 6 milhões de reais) e seu pai pague 1,5 milhão de euros (cerca de 4,5 milhões de reais) pelos crimes.

Leia também:

Messi vai ao tribunal e diz que “não tinha ideia de esquema de fraude”

Despreocupado, Messi posta mensagem enigmática após ameaça de prisão

Continua após a publicidade

#NoTeVayasLio: argentinos imploram por permanência de Messi

Messi e seu pai e agente são acusados de fraudar o fisco espanhol em 4,16 milhões de euros (cerca de 17 milhões de reais). Pouco antes de viajar aos Estados Unidos para a Copa América Centenário, o craque do Barcelona depôs na Espanha e disse que jamais tomou conhecimento de qualquer irregularidade. “Eu me dedicava a jogar futebol, confiava no meu pai e em meus advogados e não tinha ideia de nada”, afirmou Messi em julho, reafirmando discurso similar usado pela sua defesa no início da investigação em 2013.

Pai e filho são acusados de cometer evasão fiscal entre 2007 e 2009, com a utilização de uma série de empresas no Reino Unido, na Suíça, em Belize e no Uruguai para receber os direitos de imagem, evitando assim o pagamento de impostos. Durante esses anos, Messi assinou contratos de patrocínio com marcas como Adidas, Konami, Pepsi e Danone em nome de uma empresa no Uruguai, Jenbril, que pertencia a ele e à qual cedeu a gestão de seus direitos.

“A única coisa que sabia é que assinávamos acordos com determinados patrocinadores, por uma quantidade determinada de dinheiro e eu tinha de fazer anúncios, fotos e coisas do tipo, mas sobre o dinheiro e para onde ia eu não sabia nada”, declarou Messi. De acordo com o jogador, o emaranhado de empresas foi elaborado por um escritório de advocacia de Barcelona que prestava assessoria à família na área fiscal e que mantinha contato apenas com seu pai. “Eu confiava nele e os advogados nos diziam que fizéssemos desta maneira”, disse.

Continua após a publicidade

O jogador de 29 anos, que recentemente anunciou que não jogará mais pela seleção argentina, passa férias com a família nas Bahamas no momento.

(Com agências AFP e Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.