Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Gabriel Medina supera Filipe Toledo e é tricampeão mundial de surfe

Na etapa decisiva em Trestles, na Califórnia, surfista de Maresias confirmou favoritismo e se consolidou como o grande nome da chamada Tempestade Brasileira

Por Da Redação Atualizado em 14 set 2021, 19h31 - Publicado em 14 set 2021, 19h03

Gabriel Medina se consolidou como o grande nome da chamada Brazilian Storm (Tempestade Brasileira, em inglês) e conquistou o tricampeonato mundial de surfe ao superar o compatriota Filipe Toledo na noite desta terça-feira, 14, na decisão do Word Surf League Finals, em Trestles, na Califórnia, nos Estados Unidos. Campeão também em 2014 e 2018, Medina celebrou uma excelente temporada, apesar da  ausência de medalhas nos Jogos de Tóquio. A etapa final chegou a ser interrompida ao ser detectada a presença de tubarões na região.

“Estou feliz, muito feliz. Esse era o maior objetivo da minha carreira”, afirmou, emocionado, ao deixar o mar. Este é o quinto título brasileiro nas última sete edições do Circuito Mundial. Campeão olímpico em Tóquio, Italo Ferreira terminou em terceiro na temporada da WSL fechando um pódio 100% nacional. “Os atletas brasileiros estão muito bem, um puxa o nível do outro para cima”, afirmou Medina.

Medina dominou toda a temporada da WSL, que pela primeira vez passou a ter uma etapa final. Nas sete anteriores, o brasileiro abriu vantagem de mais de 10.000 pontos sobre o vice-líder Ítalo Ferreira, o que lhe daria o título com etapas de antecipação, se o campeonato mantivesse o formato antigo.  O surfista de 27 anos, porém, confirmou seu favoritismo.

Filipe garantiu vaga na decisão depois das eliminações do australiano Morgan Cibilic, do americano Conner Coffin, e do brasileiro Italo Ferreira. Na primeira bateria da final, Medina venceu por 16,30 a 15,70,. Na segunda, que chegou a ser interrompida pela aproximação de um tubarão, manteve o foco e garantiu o tricampeonato com uma manobra backflip que lhe valeu o triunfo por 17,53 a 16,36.

Medina é agora o terceiro maior vencedor da história do circuito mundial, empatado com o australiano Mick Fanning e com os americanos Andy Irons e Tom Curren, e atrás apenas do americano Kelly Slater, com 11 títulos, e do australiano Mark Richards.

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Publicidade