Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Medina: malas prontas para buscar o título inédito no Havaí

Atleta brasileiro embarca na sexta-feira para disputa da etapa final, em Pipeline

“Ele está com a parte mental muito forte, confiante e isso faz a diferença no atleta”, diz Allan Menache, que ajudou a preparar Medina para a decisão

Gabriel Medina embarca nesta sexta-feira para o Havaí, levando na mala a esperança de se tornar o primeiro brasileiro a conquistar o título mundial de surfe. A partir de 8 de dezembro, ele disputará a última etapa do Circuito Mundial, na praia de Pipeline. Sua missão é terminar à frente do australiano Mick Fanning e do americano Kelly Slater na pontuação final. São várias as combinações de resultados que levam ao troféu – se ele for bem na praia que tem as ondas mais famosas do mundo, dificilmente o título vai escapar.

Leia também:

Medina inicia sua preparação para etapa decisiva no Havaí

Perto da glória, Medina já gosta de ser o ‘Neymar do surfe’

Slater sofre fratura, mas deve duelar com Medina no Havaí

Medina não teme deixar título escapar: ‘Não sinto pressão’

Nós últimos dez dias, Medina fez uma preparação física especial em sua casa na praia de Maresias, em São Sebastião, com o especialista Allan Menache. Foram dois turnos por dia, de duas horas cada, com intensidade máxima. A ideia é deixar o atleta pronto para as ondas tubulares do Havaí. “Ele é muito esforçado e determinado. Queremos manter a base que ele conquistou e até ampliar um pouco os limites. A ideia é chegar no Havaí melhor do que estava em Teahupoo, no Taiti”, contou Menache, citando uma das etapas que o brasileiro ganhou este ano.

Como Charles, padrasto e treinador de Gabriel, foi triatleta, a preocupação com o aprimoramento físico do surfista é uma das explicações para o crescimento do jovem astro do surfe nos últimos anos. A opção pelo treinamento funcional, por exemplo, foi vista como essencial para seu sucesso na temporada. “É um treino que contempla as mais variadas técnicas e estratégias possíveis”, disse Menache. O principal foco foi a região do conjunto de músculos que ficam próximos à coluna vertebral e ajudam a dar equilíbrio ao corpo. O trabalho influencia no controle do centro de gravidade e melhora a eficiência dos movimentos. Com isso, a performance do atleta fica melhor e o risco de lesões diminui.

Confiança – Gabriel Medina não está cuidando apenas do físico, mas também do aspecto psicológico que envolve uma disputa de título mundial. Aos 20 anos, ele vai encarar dois veteranos que, somados, têm catorze conquistas no Circuito. “Ele está com a parte mental muito forte, confiante e isso faz a diferença no atleta. Vejo o Gabriel tranquilo porque apesar de ser jovem já é muito maduro”, avalia seu preparador. O ambiente no Brasil também está ajudando o surfista a esquecer a frustração de não ter conquistado o título mundial por antecipação.

Medina está perto da família e dos amigos e tem aproveitado para matar a saudade do país. “A gente confia que ele vai trazer esse título mundial”, afirmou Menache. Ao chegar ao Havaí, Medina vai participar da segunda etapa da Tríplice Coroa Havaiana e que conta pontos para o ranking de acesso. A competição tem início na próxima segunda e será disputada em Sunset Beach, vizinha a Pipeline. A competição não muda o cenário para a disputa do título mundial, mas já ajuda o surfista a testar os resultados de seu trabalho físico nas ondas do Havaí.

(Com Estadão Conteúdo)