Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Maya Gabeira, após acidente: ‘Morri… mas voltei’

A surfista caiu de uma onda gigante, perdeu os sentidos e teve de ser resgatada

A surfista brasileira Maya Gabeira chega ao Brasil nesta quinta-feira com uma certeza: vai voltar o mais rápido possível ao mar e pegar novamente as ondas gigantes que aparecem em poucos lugares do mundo. Aos 26 anos, eleita por cinco vezes a surfista feminina com melhor performance em ondas gigantes – são consideradas nesta categoria apenas as que passam dos 10 metros -, Maya passou por uma situação extrema na segunda-feira, em Nazaré, Portugal, ao quebrar o tornozelo, cair na água e ficar desacordada por alguns momentos. Foi resgatada pelo amigo Carlos Burle, o mesmo que a ajudou com um jet ski, puxando-a por uma corda, a iniciar a descida da onda estimada em mais de 20 metros. Socorrida por Burle e depois de receber os primeiros-socorros na areia da praia e ser reanimada, passou pouco mais de um dia no hospital e em nenhum momento perdeu a vontade de enfrentar novamente as raras ondas. E na quarta-feira, menos de 48 horas depois do acidente, deu esta entrevista, depois de deixar o hospital:

Quando você volta a cair no mar? Depende dos médicos, mas no hospital em Portugal me falaram em dois meses pelo menos. Mas não vejo a hora, eu deveria ir para o Havaí nesta semana para treinar. Vou ter de adiar.

Como você quebrou o tornozelo? Foi o impacto causado pelas “irregularidades” da onda. De fora parece que a água é lisa, mas há pequenas ondulações e, com a velocidade, isso faz com que a gente pule, quase voe, perdemos o contato com a água e, na aterrissagem, o impacto é muito grande. Suportei o primeiro voo, no segundo foi mais difícil e imagino que no terceiro tenha quebrado o tornozelo e caí para a frente.

E o que aconteceu em seguida? Dentro da água, recebi outra onda da série pelas costas e fui arrastada para uma bancada mais rasa de areia e ali foi o maior problema, porque a violência da água é maior ainda.

E você ainda estava consciente. Sim, totalmente, após cair, subi pela primeira vez depois de usar as técnicas que treinamos de apneia – interrupção da respiração. Aí veio a segunda onda, e novamente subi para a superfície consciente, mas na terceira tudo complicou. Veio o terceiro impacto, o mais violento, recebi uma pancada brutal no peito e ficou tudo escuro, perdi meu colete salva-vidas, fiquei somente com a minha roupa de borracha, que permitiria uma leve flutuação.

Aí você perdeu o controle da situação… Sim, fui para o fundo do mar, fiquei completamente rendida, porque tinha tomado uma pancada absurda, e a partir daí foi tudo uma questão de sobrevivência, eu estava quase apagada e tinha de fazer toda a força que pudesse para chegar o mais próximo da praia. Eu sabia que o Carlos Burle estava lá e faria tudo para me salvar.

A partir desse momento o que você lembra? Abri os olhos e vi as pessoas em cima de mim e imediatamente tudo veio à minha cabeça, sabia que tinha caído e que eles tinham me tirado da água.

Leia também:

Após acidente, Maya Gabeira recebe alta do hospital

Recuperada, Maya Gabeira confirma alta nesta terça

Maya Gabeira sofre acidente ao surfar onda gigante

Você tinha noção do perigo que tinha passado? Sempre sabemos que o risco é grande, preciso respeitar a natureza, mas não dá para entrar lá e sentir medo, porque senão é melhor nem entrar. Creio que fui salva por uma soma de motivos: boa preparação física, psicológica, muito treino, técnica de apnéia, uma boa resistência à falta de oxigênio, muita sorte, a ajuda do Carlos Burle, de Deus.

O que mais poderia ser feito para amenizar este tipo de situação que você passou? Esse esporte ainda é relativamente novo e passamos por um processo de evolução natural, como aconteceu, por exemplo, na Fórmula 1, que hoje é muito mais segura que no tempo do Ayrton Senna. No nosso caso, acho que os coletes salva-vidas poderiam ser melhores e mais um jet ski para resgate também ajudaria muito, porque num dia como esse, nessas condições, só um não é suficiente. E mais treinos, mais exercícios, mais tempo pegando ondas.

O que leva a surfar as ondas gigantes? Um dia como esse… Com meus amigos de infância, vivenciar o momento em que as ondas aparecem, a adrenalina que ferve. São momentos de êxtase, muito prazer, superação, são momentos inesquecíveis, a proximidade à força da natureza. Havia mais de 2.000 pessoas na praia assistindo as baterias. E ali dentro do mar éramos poucos, uns oito. É um privilégio, sinto-me uma pessoa com muita sorte por ter vivido estes momentos.

Você chegou a pensar que ia morrer? (silêncio)… Apaguei, certo?… Morri… mas voltei.