Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mauro Vinícius festeja feito no Mundial e mira Londres

Por AE

Istambul – Depois de fazer história para o Brasil com a medalha de ouro do salto em distância no Mundial Indoor de Atletismo, neste sábado, em Istambul, Mauro Vinícius da Silvamostrou perplexidade com o seu próprio feito ainda na pista turca. Ele correu para comemorar e destacou que o seu esforço nos treinamentos nos últimos anos acabou sendo recompensado. O título veio após ele atingir duas vezes a marca de 8,23m na decisão da prova.

“O atletismo é assim, tem que treinar muito. Quando a gente começa a acertar, é difícil parar de ter bons resultados. Eu salto 8,20m desde 2008, mas eu oscilava muito. Agora estou conseguindo manter uma regularidade”, afirmou o saltador, em entrevista ao SporTV.

O título no Mundial também tornará Mauro Vinícius da Silva naturalmente muito mais conhecido para o público do Brasil e do mundo, fato que também foi visto como importante para o saltador. Ele acredita que este ouro na Turquia o dará mais confiança e fará com que os adversários passem a respeitá-lo como um verdadeiro rival na Olimpíada deste ano.

“O objetivo principal é Londres, tenho que manter os pés no chão. O trabalho é duro, agora quero ser reconhecido”, disse o atleta, para depois acrescentar que nos Jogos Olímpicos de 2008 era tido apenas como mais um competidor na China. “Em Pequim eu fui (para a Olimpíada) bem desconhecido, espero que em Londres eu chegue conhecido e conquiste um bom resultado”, projetou.

Porém, ao ser questionado se terá chances de ganhar uma medalha nos Jogos de Londres, o brasileiro mostrou humildade e disse que precisa manter os pés no chão. “Vamos com calma, é Olimpíada. Eu não senti a pressão, estava até tranquilo demais. Até pegar no tranco demorou alguns saltos. Isso não pode acontecer, por exemplo, em uma final olímpica”, admitiu, depois de revelar como colocou a cabeça no lugar para conquistar o seu ouro.

“Fiquei muito nervoso, mas meu técnico entende muito. Chegou na beirada e disse ‘calma, você está na briga’. No quinto salto, senti que não peguei a tábua (não queimou o salto), mas fiz de tudo pra tentar ir mais longe. E fui”, comemorou.