Clique e assine com 88% de desconto

Mario Balotelli: ‘Malvado, eu? Quero ser ainda pior’

Em entrevista à 'FourFourTwo', atacante italiano disse que gostaria de 'acabar com a paciência' das pessoas. E avisa que vem à Copa no Brasil para se divertir

Por Da Redação - 12 fev 2014, 15h59

O atacante italiano Mario Balotelli gosta de confusão e não está muito ciontente com seu atual perfil de menino bom. O jogador de 23 anos disse que gostaria de ser “ainda mais malvado”, em reportagem na edição de março da revista inglesa FourFourTwo. “Gostaria que meu lado mau fosse pior. Queria realmente aporrinhar as pessoas.” Ele admitiu sentir saudades da torcida do Manchester City, time que defendeu entre 2010 e 2012. “Sinto falta dos fãs. Mas não tenho saudade da comida da Inglaterra, nem do tempo ou do jeito estúpido que eles dirigem. Mas dos torcedores do City sinto falta. Apesar de os fãs do Milan serem fantásticos.” Balotelli também afirmou que se divertiu muito em Manchester.

Leia também:

Maradona quer treinar Balotelli: ‘�Contaria minhas experiências’

Balotelli é suspenso por três jogos após insultar o árbitro

Publicidade

Racismo na Itália: Balotelli é alvo mesmo jogando em Milão

O atacante do Milan e da seleção italiana admitiu ter sido fã do boxeador campeão peso-pesado Mike Tyson na infância e comparou algumas de suas atitudes em campo com as do boxeador. Balotelli também mostrou admiração pelo ex-atacante Ronaldo e pelo sueco Ibrahimovic. “Quando era criança, meu ídolo foi Ronaldo, um jogador fantástico. Por causa dele, me apaixonei pelo futebol. E Ibrahimovic é um jogador incrível.” Sobre a Copa do Mundo, Balotelli disse que espera se divertir. “Pessoalmente, não vejo a Copa do Mundo como um passo muito importante. Vou ao Brasil para viver uma boa experiência, algo que me dê satisfação. É a minha primeira Copa e quero me divertir.”

Leia também:

Triste com fim de namoro, Balotelli compra Ferrari de R$ 600.000

Publicidade

Balotelli é pego fumando no trem. E ainda foi suspenso

Balotelli avisa: se for alvo de racistas, vai abandonar o jogo

Apesar de insistir ems er um bad boy, Balotelli disse que o encontro com o papa Francisco, em agosto do ano passado, foi marcante. “Acredito em Deus e em vários momentos essa crença ajuda a me acalmar. Significou muito ser recebido pelo papa, aprendi muito com ele, é um homem que inspira profundamente.” Alvo de racismo em Milão, Balotelli reafirmou que abandonará um jogo caso seja vítima novamente de preconceito.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Publicidade

Siga VEJA Esporte no Twitter

(Com agência de notícias ANSA)

Publicidade