Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Marin aceitou extradição aos EUA a contragosto

Ex-presidente da CBF ainda mantinha o sonho de retornar ao Brasil, mas foi convencido por advogados de que o melhor era buscar acordo em Nova York

José Maria Marin só aceitou ser extraditado aos Estados Unidos após fechar acordo com a Justiça americana. Fontes próximas ao processo na Suíça revelaram que não houve mudança de posicionamento do ex-presidente da CBF, que desde o início apostava que conseguiria voltar ao Brasil. No fim, pesou a influência de advogados e um acordo costurado durante meses. O dirigente de 83 anos está detido desde 27 de maio em uma prisão de Zurique, acusado de ter recebido pelo menos 3 milhões de dólares de subornos em contratos da CBF.

A negociação com o governo americano atrasou a definição do caso do brasileiro, último dos sete cartolas presos a ser extraditado. Seus advogados abriram conversas com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos para garantir que Marin receberia certos privilégios caso aceitasse a extradição. O ex-presidente da CBF continuará a se declarar inocente e o processo vai seguir seu trâmite durante 2016, mas ele aceita “colaborar com a investigação” e colocar uma parte significativa de seus bens nas mãos da Justiça. Isso vai incluir até mesmo uma garantia assinada por sua mulher.

Leia também:

Marin deve aguardar julgamento em seu apartamento em Nova York

Suíça alega que Marin repartiu propina com outros dirigentes

Del Nero desconversa, mas diz que vai permanecer em cargo na Fifa

Pelo acordo, ele não teria de delatar ninguém por enquanto. No entanto, a Justiça dos Estados Unidos voltará a propor a delação premiada a Marin, assim como fez com o empresário brasileiro J. Hawilla – dono da Traffic que admitiu sua culpa e entregou o nome de diversos comparsas, incluindo o do próprio Marin. Um dos próximos focos dos americanos é traçar o envolvimento do empresário Kleber Leite, dono da Klefer, e do atual presidente da CBF, Marco Polo Del Nero e do antecessor de Marin, Ricardo Teixeira, nos contratos ilegais da entidade.

Ao chegar aos Estados Unidos, Marin ficará no máximo 72 horas em uma prisão e já será levado para seu apartamento em Nova York. O prazo é apenas para garantir que o depósito seja feito em uma conta da Justiça, além de trâmites burocráticos. O brasileiro, porém, poderá acompanhar seu julgamento de seu flat com vista para a 5ª Avenida, com um quarto, sala e cozinha.

Marin não conseguiu negar aos advogados suíços que os fatos apontados contra ele no indiciamento são falsos. Em um primeiro encontro na prisão, no início de junho, o brasileiro se dizia inconformado com as acusações e o fato de estar preso. Mas, na reunião seguinte, ao ser confrontado com o ato de acusação, mudou radicalmente de tom. Sua frustração teria sido com o comportamento de J. Hawilla, o empresário que o gravou em uma conversa pedindo propinas para a Copa do Brasil.

(com Estadão Conteúdo)