Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Marílson esquece São Silvestre e foca maratona olímpica

Por Da Redação 1 jan 2012, 11h25

Por AE

São Paulo – Principal esperança brasileira na Corrida Internacional de São Silvestre, Marílson Gomes do Santos não conseguiu defender o seu título e adiou o sonho de conquistar o tetracampeonato da tradicional prova. O atleta terminou a prova de sábado apenas em oitavo lugar, mas ficou satisfeito com o seu desempenho. Além disso, ressaltou que a sua maior preocupação é a preparação para a maratona dos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012.

“O nível técnico foi um dos mais fortes de toda história. Acredito que tenha feito uma corrida boa, mas meu foco são os Jogos de Londres, em 2012, na maratona. Espero voltar no ano que vem e conquistar o tetra”, disse Marílson, que venceu a São Silvestre em 2003, 2005 e 2010.

O brasileiro explicou que não teve condições de acompanhar o ritmo dos africanos por conta do seu atual estágio de treinamentos. “O começo de prova desce muito e se você não estiver rápido, o que é o meu caso, por causa da atual fase de treinamento, fica mesmo”, comentou.

O técnico Adauto Gomes avaliou que Marílson perdeu qualquer chance de vencer a São Silvestre logo no começo da São Silvestre. “O Marílson ficou atrás muito cedo, na primeira ladeira do novo percurso, muito íngreme. Ele estava preparado para fazer 43min30, 43min40, mas os africanos desceram muito forte”, afirmou.

A prova de sábado foi vencida pelo etíope Bekele Tariku, com o tempo de 43min35. Já Marílson marcou 45min06 para terminar em oitavo lugar, uma posição atrás de Damião Ancelmo de Souza, que obteve o melhor resultado entre os atletas brasileiros.

CRUZ NONATA – Assim como na versão masculina, o Brasil não subiu ao pódio na prova feminina da São Silvestre. Cruz Nonata foi a melhor atleta do País na corrida, que foi vencida pela queniana Priscah Jeptoo, ao terminar em sexto lugar. Ela revelou que a chuva lhe atrapalhou, já que não está acostumada a treinar e competir sob essas condições.

“Se chove quando estou treinando, eu paro. A chuva interrompe o meu treino. Mas eu tive coragem e garra para enfrentar essa situação hoje. Agradeço a Deus por ter sido a melhor brasileira, estou feliz. Foi bom que tive forças para não desistir, para chegar”, disse.

Continua após a publicidade
Publicidade