Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Marcos Assunção rechaça ser baladeiro e quer ‘grande vitória’ na Vila

Por Da Redação - 6 out 2011, 17h33

O volante Marcos Assunção voltou a ouvir críticas dos torcedores do Palmeiras, mas não se mostra abalado. Prestes a completar 90 jogos pelo Verdão, o meio-campista defende seu profissionalismo e reforça o discurso de que não exagera nas saídas noturnas.

‘Se fosse baladeiro, não chegaria a essa marca em tão pouco tempo de clube. Não sou mais um garoto e, para chegar a 90 jogos, tem que se cuidar muito, ainda mais com 35 anos’, afirmou o jogador, que completou.

‘Eu me cuido, não bebo nada e não saio muito. Tenho família, esposa e dois filhos. Se eu ficar saindo do jeito que falam, minha esposa me larga. Faço as coisas da melhor maneira possível e, quando faço algo de errado, tento mudar. Vocês sabem do meu comprometimento, que treino todos os dias e participo’, afirmou, ao site oficial do clube.

Marcos Assunção atingirá a marca no clássico deste domingo, contra o Santos, na Vila Belmiro. Depois dos empates nas duas rodadas passadas do Campeonato Brasileiro, o meio-campista confia na reação contra o rival.

Publicidade

‘Tivemos uma semana muito boa de trabalho e, depois de dois tropeços contra Atlético-GO e América-MG, espero que a gente consiga reagir e seguir nossa caminhada. Com todo o respeito ao Santos, vamos para lá pensando em uma grande vitória’, acrescentou.

Apesar da distância de dez pontos para o líder Vasco, o meio-campista assegura que o time não desanimou para a reta final do Brasileirão.

‘Claro que existe motivação. Faltam 11 rodadas e são muitos pontos em jogo. A vaga na Libertadores é real, e para isso acontecer, precisamos ter cabeça boa e principalmente tranquilidade para atingir nossos objetivos’, concluiu.

Publicidade