Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Maradona pede ‘justiça’ e nega dívidas fiscais na Itália

Ex-jogador diz que culpa por impostos não pagos é dos dirigentes do Napoli

Por Da Redação 26 fev 2013, 16h14

“Eu não matei ninguém e estou aqui para buscar justiça”, disse Maradona nesta terça, cercado por advogados e guarda-costas

Em visita à Itália, o ex-jogador argentino Diego Maradona fez nesta terça-feira um apelo para que as autoridades italianas limpem seu nome e o absolvam em um caso de evasão fiscal. Ele é acusado pela receita italiana de sonegar, em valores atualizados, cerca de 40 milhões de euros (105 milhões de reais), e chegou a sugerir um encontro com o presidente do país, Giorgio Napolitano, para resolver o impasse. “Eu não matei ninguém e estou aqui para buscar justiça”, disse o astro argentino em entrevista coletiva, cercado por advogados e guarda-costas. “Eu quero acreditar que a justiça existe. Eu quero justiça para que eu possa andar livremente na Itália e em Nápoles.”

Leia também:

Inter de Milão é multada por racismo de torcedores contra Balotelli

O jogador, que defendeu o Napoli de 1984 a 1991, diz que a culpa por não ter pago os impostos devidos é dos antigos dirigentes do clube. “Por que eu tenho que pagar e não eles? Eu sou uma vítima, porque eu ganhei muito, mas eu não sabia nada sobre as questões contratuais. Eu estou mostrando o meu rosto, porque eu não matei ninguém. Se o presidente Napolitano quiser falar comigo, eu vou explicar tudo para ele”, avisou.

Continua após a publicidade

O advogado de Maradona, Angelo Pisani, disse recentemente que seu cliente venceu a disputa, mas a informação foi negada pelas autoridades fiscais italianas. Nos últimos anos, Maradona teve objetos apreendidos sempre que visitou a Itália – dois relógios Rolex, um brinco de diamante e um cachê de 3 milhões de euros pela participação em um programa de televisão. Em 2010, os planos para uma partida em Nápoles celebrando o aniversário de 50 anos de Maradona tiveram de ser abandonados por causa das ameaças de autoridades fiscais.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Maradona viajaria ainda nesta terça-feira para Dubai, mas deve voltar a Nápoles para assistir ao jogo entre Napoli e Juventus, na sexta-feira, pelo Campeonato Italiano. Seu ex-clube está sete pontos atrás do rival na briga pela liderança, e o argentino quer levar seu neto à partida. “Eu quero que ele veja o que o vovô fez aqui. Não quero que ele venha para cá e ache que eu sou lembrado como um desertor, que eu não sou”, disse Maradona.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade