Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Luis Suárez, o ‘Coelho Canibal’: fome de gols e confusões

Talentoso e temperamental, astro uruguaio é um perigo - em todos os sentidos

Os 13 de 2013

Quando o atacante uruguaio Luis Suárez colocou a mão na bola para evitar o gol que eliminaria sua equipe da Copa do Mundo de 2010, na partida das quartas-de-final contra Gana, foi tachado pelos paladinos do fair play como sujo e trapaceiro. Mas ele não podia se importar menos: nunca na história dos Mundiais um crime compensou tanto. O Uruguai avançou à semifinal, Suárez se tornou ídolo em seu país e, como se tudo isso ainda não fosse suficiente, o talentoso jogador, então no Ajax, foi contratado pelo Liverpool depois do torneio pela bagatela de 61 milhões de reais. Com a Copa das Confederações e a Copa do Mundo sediadas no país da Lei de Gérson, o astro celeste tem grandes chances de se consagrar perante a opinião pública local – desde que, é claro, não apronte das suas contra os próprios anfitriões.

A marcação cerrada da imprensa inglesa aumentou a repercussão das confusões de Suárez – entradas criminosas, declarações racistas, gestos obscenos -, mas a verdade é que o craque já era sinônimo de problemas desde que desembarcou no futebol europeu, em 2006, vindo do Nacional de Montevidéu. Primeiro no Groningen e depois no Ajax, o atacante se notabilizou por seu temperamento incontrolável, que resultaram em algumas cenas tão inesquecíveis quanto lamentáveis dentro de campo. As maiores delas são as mordidas – isso mesmo, no plural. Em 2010, em um jogo contra o PSV, atacou o pescoço de Otman Bakkal; neste ano, a vítima foi Branislav Ivanovic, do Chelsea, abocanhado no braço. Como resultado desta última agressão, dez jogos de gancho – e a admiração de Mike Tyson, que se identificou com o uruguaio e passou a seguir o atacante de arcada dentária protuberante no Twitter.

Nos momentos de sanidade, contudo, o uruguaio é indubitavelmente um dos maiores atacantes do futebol atual. Lapidado no Ajax pelo técnico Marco Van Basten, emérito matador do Milan e da seleção holandesa entre as décadas de 1980 e 1990, Suárez desenvolveu um instinto assassino sem par. E, apesar de suas temporadas irrepreensíveis no Ajax e no Liverpool, o “Coelho Canibal”, como já foi apelidado, parece reservar seus melhores momentos para quando veste a legendária camisa da celeste olímpica. Em 2011, Suarez foi o maior artífice do triunfo do Uruguai na Copa América disputada no território inimigo da Argentina: com quatro gols marcados, acabou eleito o melhor jogador da competição. Finais no Maracanã? O Brasil que se cuide.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

No Campeonato Inglês

No Copa da Liga Inglesa

Nas Eliminatórias da Copa

No Mundial de 2010

Mordendo Ivanovic

Mordendo Bakkal

Agredindo Jara

Impedindo o gol de Gana

Provocando o arquirrival