Clique e assine a partir de 8,90/mês

Los Angeles Lakers x Miami Heat: o que está em jogo na final da NBA

Liderada por LeBron James, estrela dentro e fora de quadra, equipe da Califórnia enfrentará a maior zebra da temporada na "bolha" da Disney

Por Luiz Felipe Castro - Atualizado em 28 set 2020, 12h08 - Publicado em 28 set 2020, 11h47

Foram definidos no último fim de semana os finalistas da atípica temporada 2019/2020 da NBA: o Los Angeles Lakers, do astro LeBron James, vai enfrentar o Miami Heat, do jovem Edrice Adebayo, a partir da próxima quarta-feira, 30. Assim como todos os jogos desde a retomada, as finais serão disputadas na “bolha” do complexo esportivo da Disney, na Florida, sem a presença de torcedores, seguindo os protocolos de segurança e prevenção ao novo coronavírus.

O Heat, que já havia surpreendido o Milwaukee Bucks, do MVP (jogador mais valioso) da temporada, Giannis Antetokounmpo, chegou ao título da Conferência Leste neste domingo 27 ao bater o Boston Celtics por 125 a 113, fechando a série melhor de sete em 4 a 2. Na véspera, os Lakers bateram o Denver Nuggets por 117 a 107 e fecharam a final do Oeste em 4 a 1. A equipe de Los Angeles não chegava à decisão havia dez anos, desde seu 16º título, em 2010, com Kobe Bryant (1978-2020) como sua principal estrela. Agora, pode igualar o recorde de maior campeão, que pertence ao Boston Celtics, com 17 taças.

LeBron: estrela dentro e fora de quadra e em busca de recordes

Aos 35 anos, LeBron James segue imparável. O camisa 23 dos Lakers chegou à sua décima final em 17 temporadas, sendo a nona nas últimas dez  – só faltou na do ano passado, em seu primeiro ano na tradicional franquia da Califórnia. Campeão em 2012 e 2013 pelo próprio Miami Heat e em 2016 pelo Cleveland Cavaliers, LeBron pode chegar ao tetracampeonato, bater novas marcas e seguir firme rumo a seu objetivo. “O que me motiva não é tentar ser o melhor jogador de um ano ou de outro ano, mas sim ser lembrado como o maior de todos os tempos”, afirmou em recente entrevista.

Caso conquiste seu quarto anel, James e seu colega de Lakers, Dany Green, entrarão em um seleto grupo campeões por três franquias diferentes, igualando Robert Horry e John Salley Danny Green. Além do camisa 23, apenas três jogadores disputaram 10 ou mais finais: Bill Russell e o armador Sam Jones, ídolos do Boston Celtics, e Kareem Abdul-Jabbar, estrela dos próprios Lakers. LeBron ainda pode conquistar seu quarto troféu de MVP das finais, o que o deixaria atrás apenas de Michael Jordan, que tem seis.

Na busca pelo topo do esporte, LeBron já é o terceiro maior pontuador da história da NBA (em janeiro, chegou a 34.241 pontos e ultrapassou Kobe Bryant, um dia antes da morte do ídolo) e está atrás apenas de Abdul-Jabbar (38.387) e Karl Malone (36.928). Pela primeira vez, o craque lidera as estatísticas de assistências, com mais de dez por jogo, e assim como nos tempos de Heat, em que dividia o protagonismo como Dwyane Wade e Chris Bosh, tem outro grande parceiro nos Lakers: o pivô Anthony Davis, que tem média de 28,8 pontos por jogo, à frente do próprio LeBron, que tem 26,7.

Lebron “usa” camisa em alusão à morte de negros nos EUA: “Eu não consigo respirar” Reprodução/Instagram

A temporada de 2020 consolidou outras facetas de LeBron: a de referência entre os colegas de profissão e importante agente político nos EUA. Ele foi um dos líderes do histórico boicote promovido pelos atletas, que ficaram três dias sem jogar em protesto aos tiros disparados por policiais contra  Jacob Blake, um homem negro, em 23 de agosto.

Um conhecido crítico das injustiças sociais e do presidente Donald Trump, LeBron tem se engajado em duas grandes campanhas: o Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) e o More than a Vote (Mais do que um voto), que encoraja a população a participar das eleições presidenciais de novembro (o voto não é obrigatório no país). LeBron apoia abertamente o candidato democrata, Joe Biden.

Continua após a publicidade

 

ASSINE VEJA

A ameaça das redes sociais Em VEJA desta semana: os riscos dos gigantes de tecnologia para a saúde mental e a democracia. E mais: Michelle Bolsonaro vai ao ataque
Clique e Assine

Miami Heat quer seguir surpreendendo

A franquia da Flórida chegou à sua primeira decisão desde a saída de LeBron James de forma surpreendente. Sem contar com um elenco badalado e depois de uma temporada regular inconstante (foi apenas o quinto colocado da Conferência Leste com 44 vitórias e 29 derrotas), o Miami Heat desbancou os favoritos Indiana, Milwaukee e Boston.

O destaque da equipe vem sendo o pivô Bam Adebayo, de 23 anos, autor de 32 pontos e 14 rebotes na última partida diante dos Celtics. Os campeões olímpicos Jimmy Butler e Andre Iguodala dão experiência ao time que buscará um feito histórico. Desde 1884, quando os playoffs assumiram o atual formato, apenas o Houston Rockets de 1995 conseguiu erguer a taça sem terminar entre os quatro melhores de sua própria conferência. Já

Retrospecto em finais

Los Angeles Lakers
Títulos: 16 (1949, 1950, 1952, 1953, 1954, 1972, 1980, 1982, 1985, 1987, 1988, 2000, 2001, 2002, 2009 e 2010)
Vices: 15 (1959, 1962, 1963, 1965, 1966, 1968, 1969, 1970, 1973, 1983, 1984, 1989, 1991, 2004 e 2008)

Miami Heat
Títulos: 3 (2006, 2012 e 2013)
Vices: 2 (2011 e 2014)

 

Continua após a publicidade
Publicidade