Clique e assine com até 92% de desconto

Lesão em Kobe Bryant vira debate: foi de propósito?

Astro se machucou no fim de derrota do Lakers para o Atlanta Hawks. Após rever o lance, surgiu a dúvida se houve má intenção do marcador no lance

Por Da Redação 14 mar 2013, 17h21

A lesão no tornozelo esquerdo sofrida na noite desta quarta-feira pelo astro Kobe Bryant, um dos grandes nomes do basquete na atualidade, foi assunto para muitos debates nos Estados Unidos e pelo mundo: será que o lance foi proposital? Bryant se machucou nos segundos finais da derrota de seu time, o Los Angeles Lakers, para o Atlanta Hawks, por 96 a 92, em Atlanta. A desvantagem do Lakers era de apenas dois pontos quando, a 2 segundos do fim do jogo, Bryant tentou um arremesso da lateral. Na queda, pisou no pé do armador Dahntay Jones, do Hawks, se desequilibrou e pisou em falso com o pé esquerdo. A dor foi tão grande que, após a partida, o atleta disse ter sofrido sua pior contusão em 16 anos de carreira.

Leia também:

Nadal vence de virada – e marca reencontro com Federer

Ainda não há previsão sobre o retorno do craque, que corre até risco de perder a temporada. A lesão interrompe uma fase excelente de Kobe, que liderou nas últimas semanas a reação do Lakers, após um péssimo início de temporada (com direito a troca de técnico), em busca de uma vaga nas finais da NBA, a liga americana de basquete. “Foi um lance perigoso e deveria ter sido marcada a falta. Ponto”, escreveu o jogador no seu perfil no Twitter logo após a partida. Nesta quinta à tarde, Bryant postou uma foto com o tornozelo inchado e disse que passaria o dia todo em tratamento. Bryant é o terceiro cestinha da atual temporada da NBA.

A suspeita sobre a má intenção de Jones surgiu por causa de um lance de 2009, quando o armador defendia o Denver Nuggets e passou uma “rasteira” em Kobe num jogo contra o Lakers, na final da Conferência Oeste. Naquele lance também não foi marcada a falta, e Bryant levou até uma bronca da arbitragem por causa de reclamações. Também no Twitter, Jones se defendeu e lembrou o caso de quatro anos atrás, “Como jogador da defesa, você pode atrapalhar arremessos, mas não pode passar por baixo dos adversários. Isso é perigoso para o arremessador. Se fosse para marcar falta, seria falta de ataque. E, sobre o que aconteceu em 2009, não tenho orgulho do que aconteceu, mas era uma série quente valendo um título.”

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Continua após a publicidade
Publicidade