Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Leão vê reação do ‘fundo da alma’ do time após eliminação e se anima

Por Da Redação 30 abr 2012, 12h01

Ao ser lembrado do jogo de quarta-feira contra a Ponte Preta, o primeiro pelas oitavas de final da Copa do Brasil, Emerson Leão respirou aliviado dizendo ‘Graças a Deus’. O técnico tem a impressão de que o São Paulo não terá dificuldades extras em Campinas após a eliminação no Campeonato Paulista. O motivo: a rápida conversa que teve com seus comandados nesse domingo, logo depois da derrota para o Santos no Morumbi.

‘Foram palavras curtas e de grande efeito porque vieram de dentro. Posso dizer que um treinador fica muito satisfeito quando escuta alguma coisa vinda do fundo da alma, com uns falando em vergonha, outros em reconhecimento e outros em luta’, comentou o chefe, que conta ter falado pouco com os atletas.

O ex-goleiro não quis dar detalhes do papo ainda nos vestiários do Morumbi, mas o tom das declarações dos jogadores dá a entender a reação de cada um. Rhodolfo, por exemplo, saiu de campo com a faixa de capitão e um discurso bem diferente do costumeiramente cheio de críticas a todos depois de tropeços.

‘Não jogamos contra o Santos como vínhamos jogando, fomos muito mal no primeiro tempo, desanimamos, não tivemos posse de bola e eles jogaram no nosso erro, tomamos gols que não costumamos tomar. Mas jogamos muito no segundo tempo. Não adianta abaixar a cabeça. Nosso time é muito bom’, elogiou o zagueiro.Outros que se dispuseram a falar também cobraram reconhecimento de uma equipe que, há três semanas, igualava a maior sequência de vitórias consecutivas da história do clube com 11 triunfos seguidos. Vergonha, porém, pôde ser detectada em Denis, que não quis dar entrevistas após espalmar para sua meta um chute despretensioso de Neymar no gol que definiu o placar.

Revolta também apareceu. Cícero demonstrou irritação desde o primeiro tempo, principalmente tomando as dores de Piris em meio aos constantes dribles de Neymar. A postura lhe custou um cartão vermelho ao final do clássico, mas não deve render bronca. A comissão técnica acredita que o meio-campista foi vítima de um exagero do árbitro Paulo César de Oliveira principalmente em seu primeiro amarelo, originado por contestar uma falta marcada de Piris.

O mais importante, contudo, é que nenhum reflexo do San-São deve estar presente no Moisés Lucarelli nesta quarta-feira. Pelo menos é o que espera Leão. ‘Sinceramente, acho que a derrota não vai atrapalhar. O que tínhamos que fazer com os atletas, fizemos no vestiário. Gostei do que ouvi e do que falei’, comentou o técnico.

Paulo Miranda, que cometeu o pênalti do primeiro gol santista e falhou na tentativa de parar Neymar no segundo gol do astro do time da Vila Belmiro, resumiu bem o sentimento que deve dominar o Tricolor a partir da reapresentação da tarde desta segunda-feira no CT da Barra Funda. ‘Precisamos levantar a cabeça. Ainda tem a Copa do Brasil.’

Continua após a publicidade
Publicidade