Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Leão não comanda coletivo e mantém mistério sobre Luis Fabiano

Emerson Leão descartou um treino secreto nesta terça-feira, em Belém. Mas o que foi visto no Mangueirão não adiantou para tirar qualquer dúvida sobre a escalação que enfrenta o Independente de Tucuruí nesta quarta-feira, na estréia da Copa do Brasil. A indefinição sobre a utilização de Luis Fabiano ou entre o 4-4-2 e o 4-3-3 persistem.

Em vez de um coletivo, como costuma fazer o treinador, costumeiramente avesso a mistérios, o comandante mandou seus atletas praticarem somente finalizações e cruzamentos, irritando-se principalmente com o desempenho nesta segunda parte. Sobre a formação que entrará em campo, contudo, nada foi divulgado.

Luis Fabiano ficará pelo menos no banco de reservas, já que o São Paulo viajou somente com 18 atletas, exatamente os 11 que entrarão em campo e os sete que ficarão como suplentes. A comissão técnica avalia que o centroavante, sem atuar desde 28 de janeiro por conta de um estiramento na coxa direita, não tem condições de atuar por 90 minutos. Mas não informa quanto tempo ele aguenta.

‘A escalação do Fabiano não depende do adversário’, limitou-se a dizer Leão, que se disse mais preocupado em adaptar sua equipe ao gramado, bastante escorregadio de acordo com a análise dos próprios atletas. ‘Procurei não forçar o gramado. Como a chuva não para, está muito mole e pode prejudicar o espetáculo’, justificou o técnico.

Se Luis Fabiano não for titular, Willian José, artilheiro do clube na temporada com nove gols, iniciará o confronto. Em relação ao esquema tático, a dúvida é sobre o substituto de Jadson, que ficou em São Paulo para aprimorar sua forma física e técnica. A dúvida é por manter um 4-4-2 com Maicon no meio-campo ao lado de Denilson, Casemiro e Cícero ou um trio ofensivo com Fernandinho, Lucas e o centroavante.

O mais provável é que o 4-3-3 seja a opção de Leão, mas o técnico já avisa que sua escolha não se baseará na possibilidade de passar para a segunda fase sem disputar o jogo de volta – para isso, o Tricolor paulista precisa vencer por mais de um gol de diferença.

‘Se merecermos a vitória por dois gols, ótimo. Se não, paciência. Seria excelente ganhar uma semana de trabalho para auxiliar a recuperação dos atletas, mas não adianta colocar isso como obsessão. Principalmente sem conhecer o adversário. O respeito precisa ser maior, e vamos jogar pensando desta maneira’, disse o treinador.