Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Leão arma time para usar desespero do Furacão e torce contra chuva

Por Da Redação 15 nov 2011, 18h36

Emerson Leão não pensou duas vezes em fazer sua equipe realizar um coletivo de cerca de uma hora debaixo de forte chuva, cobrando marcação pesada e velocidade ao atacar. O técnico quer aproveitar os espaços que o Atlético-PR, lutando contra o rebaixamento, deve deixar. Ao mesmo tempo, preparou o São Paulo em um campo encharcado, como prevê que pode estar na Arena da Baixada caso chova em Curitiba nesta quarta-feira.

‘A Baixada é ótima, maravilhosa, mas não com chuva. O gramado é desagradável porque o sol não bate como deveria’, opinou Leão, já antecipando as críticas ao campo. ‘Se tivermos a possibilidade de usar velocidade e o gramado permitir, ótimo. Melhor ainda que temos dois velocistas no ataque’, continuou.

Leão abdicou de Dagoberto, por estar desgastado e para realizar um rodízio na equipe, também para poder utilizar a velocidade de Fernandinho. É nele e em Lucas que estão as esperanças nos contra-ataques, com Willian José, substituto do suspenso Luis Fabiano, como referência na frente.

O treinador aprovou a atuação de seus dois ‘velocistas’ no coletivo. A disposição de Fernandinho em voltar para preencher o meio-campo lhe agradou, assim como a inteligência de Lucas de, no meio do coletivo, perceber que Rivaldo recuava até a defesa para armar as jogadas dos reservas e marcou o veterano, dificultando seus lançamentos.

O comandante também sentiu que acertou ao abrir mão de três zagueiros, dando a Denilson e, principalmente, Wellington a função de se revezar à frente da defesa, na ideia de armar o 3-5-2 quando o Tricolor for atacado. A utilização de três volantes – Carlinhos Paraíba é outro que está no time – mostrou que pode dar a dinâmica na saída de bola que o chefe deseja.

‘Marcamos mais e tivemos muito mais oportunidades de gol com três volantes. Foi uma observação interessante, gostei’, comentou Leão, exigindo, contudo, sabedoria para colocar a favor a pressão vivida pelo Furacão para evitar o rebaixamento para a Série B do Campeonato Brasileiro.

‘Quem tem o desejo de vencer uma partida, precisa de iniciativa. E quem tomar iniciativa descoordenada poderá deixar sobrar espaços que também quero’, comentou. ‘Eles [o Atlético-PR] não enfrentarão uma equipe que olha para o chão, mas para o gol adversário’, prometeu.

Continua após a publicidade
Publicidade