Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Laboratório em 2011, Copa Roca marcou a estreia de Pelé na Seleção

Por Da Redação
13 set 2011, 08h12

Designada a partir de 2011 como Superclássico das Américas, a Copa Roca traz ao torcedor uma história de quase um século com o confronto entre Brasil e Argentina que será repetido nesta quarta-feira na cidade de Córdoba. Criada em 1914, a competição não apresentou uma periodicidade definida, mas está marcada principalmente por ter registrado a estreia do gênio Pelé na Seleção Brasileira.

Aos 16 anos, o eterno camisa 10 entrou em campo no dia 7 de julho de 1957 no Maracanã com a presença de 80 mil pessoas. O garoto do Santos saiu do banco de reservas para substituir Del Vecchio. E, apesar da derrota verde-amarela por 2 a 1, marcou um gol dentro da área, fruto do oportunismo que marcaria a sua carreira, e já deixou ótima impressão diante de um rival de peso como a Argentina.

‘Jogador bom é assim mesmo, mostra a sua qualidade logo de cara’, recorda o ex-meio-campista Zito, que esteve em campo naquela partida pela Seleção Brasileira e participou da virada do país no jogo de volta diante dos argentinos, disputado três dias depois no Pacaembu com uma prorrogação.

A Copa Roca foi idealizada pelo ex-presidente e militar argentino Alejo Julio Argentino Roca Paz. A primeira edição acabou disputada, porém, menos de um mês depois da morte do político, aos 71 anos, em 1914. O Brasil estragou a celebração dos hermanos e faturou o torneio ao vencer por 1 a 0, com a presença de pouco mais de 17 mil espectadores no estádio do Gimnasia y Esgrima, em Buenos Aires.

O futebol brasileiro acumula vantagem na história da competição, com 11 vitórias, três empates e nove derrotas. Nos gols, há, porém, um saldo de negativo de dois tentos dos pentacampeões mundiais, em função principalmente de três goleadas sofridas entre 1939 e 1940. Ainda assim, a equipe verde-amarela soma sete títulos (1914, 1922, 1945, 1957, 1960, 1963 e 1976) contra apenas três dos rivais (1923, 1939/40 e 1940). Em 1971, a taça foi dividida, já que não houve vencedor nem sequer na prorrogação do confronto de volta.

‘Lá atrás, tínhamos grande vantagem nos jogos contra a Argentina, apesar de serem confrontos complicados. Hoje o futebol está mais equilibrado, não vemos o Brasil sobrando como antigamente contra nenhum adversário’, lastima Zito, símbolo de uma geração vencedora no país.

Continua após a publicidade

A competição também apresenta outras curiosidades. Em uma das edições, a Copa Roca foi disputada durante dois anos, em 1939 e 1940, até definir o campeão. A propósito, este foi o torneio com o maior número de confrontos entre brasileiros e argentinos: quatro – dois disputados no Rio de Janeiro e outros dois em São Paulo. A Argentina faturou a taça com duas vitórias, um empate e uma derrota.

Já em 1976, os jogos da Copa Roca contra a Argentina também tiveram validade para a Copa Atlântica, campeonato que ainda contou com a presença de Uruguai e Paraguai. Os brasileiros venceram as duas taças. Nesta ocasião, foi realizado o único torneio com o mesmo formato de 2011, em confrontos de ida e volta – nas outras dez edições a taça era disputada em um só país.

A artilharia histórica da Copa Roca está dividida entre dois jogadores. O brasileiro Leônidas da Silva balançou as redes sete vezes entre 1940 e 1945. O argentino Emilio Baldonedo teve o mesmo retrospecto, mas todos os gols foram marcados em 1940.

Outros nomes consagrados também disputaram a Copa Roca, inclusive estrelas da história das Copas do Mundo, como os brasileiros Zagallo, Roberto Rivellino, Tostão, Clodoaldo e Gerson, além dos argentinos Daniel Passarella e Mario Kempes, entre outros craques. Agora, os treinadores das duas seleções aguardam a revelação de novas referências para seus times – foram convocados atletas sem tanto prestígio, que atuam nos próprios países.

‘É um bom torneio para essa nova geração da Seleção Brasileira. É uma espécie de intercâmbio, você enfrenta a Argentina, nosso grande rival no futebol. É uma oportunidade para conhecer um pouco mais do estilo deles’, ressalta Zito, bicampeão da Copa Roca, em 1957 e 1963.

Continua após a publicidade

A história da Copa Roca – jogos entre Brasilx Argentina

1914: Brasil campeão

27/09/1914 – Argentina 0 x 1 Brasil – Estádio Gimnasia y Esgrima, em Buenos Aires

1922: Brasil campeão

22/10/1922 – Brasil 2 x 1 Argentina – Estádio Palestra Itália, em São Paulo

Continua após a publicidade

1923: Argentina campeã

09/12/1923 – Argentina 2 x 0 Brasil – Estádio Sportivo Barracas, em Buenos Aires

1939/40: Argentina campeã

15/01/1939 – Brasil 1 x 5 Argentina – Estádio de São Januário, no Rio de Janeiro

22/01/1939 – Brasil 3 x 2 Argentina – Estádio de São Januário, no Rio de Janeiro

Continua após a publicidade

18/02/1940 – Brasil 2 x 2 Argentina – Estádio Palestra Itália, em São Paulo

25/02/1940 – Brasil 0 x 3 Argentina – Estádio Palestra Itália, em São Paulo

1940: Argentina campeã

05/03/1940 – Argentina 6 x 1 Brasil – Estádio El Viéjo Gasômetro, em Buenos Aires

10/03/1940 – Argentina 2 x 3 Brasil – Estádio El Viéjo Gasômetro, em Buenos Aires

Continua após a publicidade

17/03/1940 – Argentina 5 x 1 Brasil – Estádio Almirante Cordero, em Avellaneda

1945: Brasil campeão

16/12/1945 – Brasil 3 x 4 Argentina – Estádio do Pacaembu, em São Paulo

20/12/1945 – Brasil 6 x 2 Argentina – Estádio de São Januário, no Rio de Janeiro

23/12/1945 – Brasil 3 x 1 Argentina – Estádio de São Januário, no Rio de Janeiro

1957: Brasil campeão

07/07/1957 – Brasil 1 x 2 Argentina – Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro

10/07/1957 – Brasil 2 x 0 Argentina – Estádio do Pacaembu, em São Paulo

1960: Brasil campeão

26/05/1960 – Argentina 4 x 2 Brasil- Estádio Monumental de Muñez, em Buenos Aires

29/05/1960 – Argentina 1 x 4 Brasil- Estádio Monumental de Muñez, em Buenos Aires*

1963: Brasil campeão

13/04/1963 – Brasil 2 x 3 Argentina – Estádio do Morumbi, em São Paulo

16/04/1963 – Brasil 5 x 2 Argentina – Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro*

1971: título foi dividido

28/07/1971 – Argentina 1 x 1 Brasil – Estádio Monumental de Muñez, em Buenos Aires

31/07/1971 – Argentina 2 x 2 Brasil – Estádio Monumental de Muñez, em Buenos Aires*

1976: Brasil campeão

27/02/1976 – Argentina 1 x 2 Brasil – Estádio Monumental de Muñez, em Buenos Aires

19/05/1976 – Brasil 2 x 0 Argentina – Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro

* Partidas com disputa de prorrogação.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.