Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Kleber Leite nega irregularidade em contratos e ataca J. Hawilla

Ex-presidente do Flamengo entregou documentos de sua empresa à PF e ironizou sobre a delação premiada de seu antigo amigo

O empresário e ex-presidente do Flamengo Kleber Leite se pronunciou sobre o escândalo de corrupção no futebol mundial e negou haver qualquer irregularidade nos contratos de sua empresa, a Klefer Marketing Esportivo, com a CBF. Na noite desta quarta-feira, a Polícia Federal realizou uma operação de busca na sede da empresa, no Rio de Janeiro, a pedido do governo dos Estados Unidos, que investiga o enorme esquema de corrupção que já resultou na prisão de sete dirigentes ligados à Fifa, incluindo o ex-presidente da CBF, José Maria Marin.

Os nomes de Kleber e da Klefer não aparecem textualmente nos processos divulgados pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos, mas trechos que tratam dos crimes cometidos pelo empresário brasileiro J. Hawilla, dono da Traffic, levam a crer que a empresa da qual Kleber Leite é sócio esteja envolvida. Em artigo que trata do contrato da Copa do Brasil (torneio de clubes da CBF), é citada uma empresa que teria adquirido os direitos comerciais do torneio entre 2015 e 2022, mediante pagamento de propina – é sabido que quem detém estes direitos é a Klefer.

Leia também:

As ligações entre J. Hawilla, a CBF e Ricardo Teixeira

De repórter de campo a alvo do FBI: os negócios de J. Hawilla

Traffic é avalista de empréstimo para pagar acordo de Hawilla

A empresa entregou todos os documentos solicitados pela PF e negou qualquer irregularidade. Por meio de nota, Kleber Leite ainda atacou o antigo amigo J. Hawilla, que entrou em acordo com o governo dos Estados Unidos – admitiu sua culpa, devolveu 151 milhões de dólares e revelou como funcionava o esquema de corrução que funcionou nas últimas décadas.

“Fui surpreendido pelo noticiário dando conta que por problemas com o fisco americano, e ante a possibilidade de ser preso, J. Hawilla negociou com quem de direito, e através de uma delação premiada fez uma série de acusações, sendo uma delas a de que teríamos nós da Klefer, a exemplo dele, réu confesso, pago propina para a obtenção do contrato mencionado aqui. Jamais usamos deste expediente para obtenção de qualquer contrato ao longo dos 32 anos de vida da Klefer. Talvez por isso, tenhamos um tamanho normal para uma empresa de Marketing Esportivo”, declarou Kleber, por meio de nota oficial.

Ele ainda citou problemas de saúde de J. Hawilla e ironizou sobre a atitude do empresário, com quem manteve estreita ligação durante anos. “Soube que neste período, J. Hawilla passou por momentos difíceis em função de grave doença. Provavelmente, pelo que ouço e leio, a cabeça dele deve ter sido afetada. A cabeça, o caráter e, principalmente, o sentimento de gratidão. Lamentável! Que fim de vida”. Assim como Hawilla, Kleber Leite iniciou a carreira como jornalista esportivo. Ele também foi presidente do Flamengo entre 1995 e 1998.

(Da redação)