Clique e assine a partir de 9,90/mês

Kaká comemora ‘dia perfeito’, com convocação e vitória

Meia jogou bem e ajudou o Real Madrid a chegar às quartas de final da Liga dos Campeões, horas depois de ser chamado pela primeira vez por Felipão

Por Da Redação - 6 mar 2013, 07h06

Kaká contou que soube da convocação ao chegar ao estádio e ligar o telefone celular, por meio de mensagens da mulher, Carol, e de amigos

O meia Kaká não conseguiu esconder a alegria ao sair do estádio Old Trafford após a vitória do Real Madrid por 2 a 1 sobre o Manchester United, que classificou a equipe para as quartas de final da Liga dos Campeões. Ele ajudou o time a sair vencedor, ao entrar no fim do primeiro tempo no lugar do contundido Di María, horas depois de voltar a ser convocado pelo técnico Luiz Felipe Scolari para a seleção brasileira, para as partidas contra Itália, no dia 21, e Rússia, no dia 25. “Foi uma terça-feira perfeita, saio duplamente feliz, por essa vitória e pela convocação. Ganhar na Inglaterra, da forma como foi, é uma coisa muito especial. A gente não vinha em fase boa, mas em dez dias a coisa virou, ganhamos duas vezes do Barcelona e agora nos classificamos aqui. É especial”, afirmou, citando o bom momento da equipe, que dificilmente vai conseguir tirar o título espanhol do Barça, mas segue viva na competição europeia e faz a final da Copa do Rei contra o rival Atlético de Madri.

Leia também:

Cristiano Ronaldo decide e Real elimina o Manchester

Continua após a publicidade

Kaká e Ronaldinho juntos? Felipão desconversa

Kaká contou que soube da convocação ao chegar ao estádio e ligar o telefone celular, por meio de mensagens da mulher, Carol, e de amigos. Ele diz que ainda não conversou com Felipão e que vai esperar os treinos para saber o que o técnico espera dele. Desde a Copa de 2010, Kaká fez apenas duas partidas com a camisa do Brasil, os amistosos contra Iraque e Japão, em outubro de 2012, sob o comando de Mano Menezes. O jogador foi bem e parecia estar prestes a assumir uma posição de destaque no grupo, mas justamente nesse momento a CBF decidiu trocar o comando da equipe. O novo técnico, inclusive, deixou claro nesta terça-feira que provavelmente vai escolher entre ele e Ronaldinho Gaúcho para ser o camisa 10 e “cérebro” da seleção. Os dois não são convocados de forma simultânea desde abril de 2009, quando Dunga ainda era o comandante do time brasileiro. Kaká tem 30 anos e já esteve nas Copas de 2002, 2006 e 2010. Já o Gaúcho está com 32 anos e jogou os Mundiais de 2002 e 2006.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Publicidade