Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Kaká admite emoção antes de despedida do Morumbi

Meia revelado pelo clube em 2001 fará sua última partida no estádio, diante do Figueirense, neste domingo. Em janeiro, ele reforçará o Orlando City, dos EUA

Por Da Redação 29 nov 2014, 14h32

Durou apenas um semestre, mas a segunda passagem de Kaká pelo São Paulo foi marcante. Elogiado por todos os companheiros não só pelo que apresentou em campo, mas principalmente pelo comportamento fora dele, o craque vai se despedir do Morumbi neste domingo, na penúltima rodada do Brasileirão, contra o Figueirense, às 17h (de Brasília). O meia de 32 anos espera se despedir do estádio com uma vitória, o que garantiria o vice-campeonato nacional e uma vaga direta na Libertadores de 2015. “Será um jogo emocionante, já que é o último nesta minha segunda passagem pelo clube. Tenho certeza de que será um dia muito especial. Ficarei emocionado, mas feliz e contente. Espero terminar essa passagem pelo São Paulo com uma importante vitória.”

Leia também:

Radar: São Paulo fecha com marca de material esportivo

Ceni é pressionado para anunciar decisão sobre futuro

Muricy, após queda do São Paulo: ‘Maior injustiça que já vi’

São Paulo perde nos pênaltis e diz adeus à Sul-Americana

O craque chegou ao Morumbi em meados do ano já com data para sair: é jogador do Orlando City, dos Estados Unidos, e só ficou emprestado enquanto o clube americano esperava o início da temporada da Major League Soccer (MLS), no início de 2015. A expectativa era que Kaká pudesse sair do São Paulo da mesma forma com que entrou – em 2001, começou a carreira sendo decisivo no título do Torneio Rio-São Paulo, com dois gols. Desde 2003 na Europa, onde passou por Milan e Real Madrid, Kaká aceitou voltar ao Brasil e ajudou o São Paulo a ter 80% de aproveitamento de pontos no Morumbi.

“Além de ser um grande jogador, o Kaká serviu de exemplo para os mais jovens e recém-chegados ao clube. Com ele, pudemos montar um time comprometido e com bons exemplos. Foi muito importante contar com um cara que já foi eleito o melhor atleta do mundo. Melhorou bastante o nosso ambiente. Muitos jogadores, olhando ele, melhoraram bastante. Ele é um cara parceiro, sempre alegre e passou esse bom exemplo. Apesar do pouco tempo, foi excelente a passagem dele, porque agregou coisas fora de série”, elogiou o técnico Muricy Ramalho.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade