Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Justiça boliviana deve libertar nesta quinta-feira parte dos corintianos presos

Embaixada do Brasil na Bolívia já está cuidando do transporte dos torcedores do grupo para La Paz, capital do país. Eles devem retornar ao Brasil no fim de semana

Sete dos 12 corintianos presos em Oruro, acusados pela morte do jovem boliviano Kevin Espada, de 14 anos, devem ser libertados nas próximas horas. A Embaixada do Brasil na Bolívia já está cuidando nesta quinta-feira do transporte dos torcedores de Oruro para La Paz, capital do país. Eles devem retornar ao Brasil no fim de semana. Os presos já ligaram para seus familiares para dar a notícia. A identidade dos sete torcedores ainda não foi divulgada.

VÍDEO: Os 12 corintianos presos na Bolívia

Jogos e preces: a vida dos corintianos presos em Oruro

Os corintianos estão presos desde 20 de fevereiro, após Kevin Espada ser atingido por um sinalizador, durante o jogo contra o San José, pela primeira rodada da fase de grupos da Copa Libertadores. Eles continuaram presos mesmo depois que um menor de idade, sócio da torcida Gaviões da Fiel, se apresentou à Justiça brasileira como autor do disparo fatal.

“Minha vida acabou”, diz menor preso na Bolívia

Em maio, ele prestou depoimento ao promotor Alfredo Santos no consulado boliviano em São Paulo. O promotor levou à Bolívia as digitais do menor e fotos com a posição dos torcedores na arquibancada do Estádio Jesus Bermudez. Esse material foi decisivo para a liberdade dos sete torcedores.

O advogado dos 12 corintianos, Sérgio de Moura Ribeiro Marques, defende a tese de que Kevin foi atingido antes mesmo de o jogo começar. Isso porque ele diz ter conversado com bombeiros bolivianos que alegam que o resgate de uma pessoa ferida na arquibancada demora, no mínimo, oito minutos para ser realizado.

O procedimento incluiria o aviso do acidente, o deslocamento para pegar a maca e seguir até o local do incidente, abrir espaço entre dezenas de torcedores, colocar o corpo na maca, descer as rampas e escadas do estádio e chegar à porta de saída.

“Há depoimentos de pessoas que estavam entrando no estádio aos cinco minutos de jogo e viram o garoto boliviano saindo. O vídeo que mostra o rojão saindo da torcida do Corinthians foi feito aos cinco minutos de jogo. Esse intervalo de tempo não bate”, alega Marques.

(Com Estadão Conteúdo)

Leia também:

Na Bolívia, a confissão do menor corintiano não convence

Tragédia em Oruro: só mudou quem sentiu a dor da morte