Clique e assine a partir de 9,90/mês

Justiça arquiva a investigação do acidente de Schumacher

O promotor afirma que nenhuma infração foi cometida por terceiros no episódio

Por Da Redação - 17 Feb 2014, 10h37

“Tanto a sinalização como as informações sobre os limites da pista estavam de acordo com as normas francesas em vigor”, disse promotor francês

A Justiça da França anunciou nesta segunda-feira que arquivou a investigação do acidente de esqui envolvendo Michael Schumacher, em 29 de dezembro, na estação de Meribel, nos Alpes franceses. Internado e em coma induzido no Hospital Universitário de Grenoble, também na França, o piloto alemão sofreu graves lesões cerebrais após bater com a cabeça em uma rocha, mas os investigadores concluíram que não há mais o que ser apurado neste caso. O promotor de Albertville, Patrick Quincy, que iniciou as investigações, disse, por meio de um comunicado, que “nenhuma infração foi cometida por ninguém” ao responder às questões sobre se a estação de Meribel ou o equipamento usado pelo ex-piloto de Fórmula 1 pode ter alguma responsabilidade no acidente.

Leia também:

Massa visitou Schumacher. ‘Falei com ele, contei histórias’

Continua após a publicidade

Processo para o heptacampeão acordar poderá ser longo

Schumacher ainda não respondeu aos estímulos, diz jornal

Quincy afirmou que a rocha que fez Schumacher perder o controle e cair enquanto esquiava estava a 10,4 metros da outra na qual ele bateu a cabeça, sendo que ambas estavam a mais de quatro metros de distância da linha vermelha que delimita a trilha reservada aos esquiadores. “O acidente ocorreu fora da pista”, ressaltou o promotor, para depois completar: “Tanto a sinalização como as informações sobre os limites da pista estavam de acordo com as normas francesas em vigor”. Com isso, Quincy enfatizou que não existe responsabilidade jurídica de nenhuma parte neste caso, já que o heptacampeão mundial de Fórmula 1, hoje com 45 anos, assumiu o risco de se acidentar ao andar fora da trilha.

Em 8 de janeiro, investigadores da Justiça francesa confirmaram oficialmente que o alemão estava andando fora da trilha normal da pista da estação de esqui de Meribel. A investigação, porém, não apontou em qual velocidade ele esquiava quando caiu, dizendo que essa informação seria irrelevante. Por causa do impacto da queda, o alemão teve seu capacete dividido em dois após se desequilibrar, cair e bater com a cabeça em uma rocha. Os médicos que o atenderam confirmaram que o equipamento de proteção salvou a sua vida. Para os fãs, a grande preocupação é com a saúde de Schumacher e com as perspectivas de recuperação depois do gravíssimo acidente.

Continua após a publicidade

Os médicos que cuidam do lendário piloto já iniciaram o lento processo que visa despertá-lo do estado de coma. As informações sobre as condições do ex-piloto têm sido muito raras desde a sua internação. A família dele tem pedido por privacidade e evitado repassar informações recebidas dos médicos. A condição de Schumacher se estabilizou após a realização de duas cirurgias, depois de inicialmente ser descrita como crítica. O jornal alemão Bild publicou na semana passada, sem citar quaisquer fontes, que o ídolo tinha desenvolvido uma pneumonia, mas o comunicado enviado em seguida por e-mail por Sabine Kehm, empresária do alemão, não fez menção a isso.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade