Júlio César é o goleiro brasileiro mais vazado na história das Copas

Seleção ainda bateu outros recordes, entre eles o de ser a anfitriã que mais levou gols

Por Da Redação - 12 jul 2014, 20h03

Com a derrota por 3 a 0 para a Holanda na decisão do terceiro lugar da Copa do Mundo, neste sábado, em Brasília, o Brasil amargou recordes negativos justamente na competição em que atuou como anfitrião. Um deles é o do país que se tornou o mais vazado atuando em casa em uma única edição do torneio. Ao levar 14 gols ao total, superou a Suíça, que levou 11 como organizadora do Mundial de 1954.

Leia também:

Uma triste despedida: Brasil perde outra e amarga 4º lugar

Entre o deboche e o desânimo, torcida espera fim honroso

Publicidade

Entre técnicos das semis, Felipão é o mais próximo de ficar

O Brasil também se tornou a defesa mais vazada de uma Copa desde que a Bélgica sofreu 15 gols ao total em 1986, no México. Na ocasião, os belgas também ficaram com o quarto lugar na classificação geral.

Para completar, Júlio César se tornou o goleiro da seleção brasileira a tomar mais gols na história das Copas. Ele acumula 18 ao total, somando os quatro que sofreu no Mundial de 2010. Ele superou, com folga, os 15 levados por Taffarel, com a diferença de que o ex-camisa 1 do Brasil jogou os Mundiais de 1990, 1994 e 1998 e se sagrou campeão uma vez e vice em outra, tendo atuado em 18 partidas, contra apenas 12 de Júlio César em duas Copas.

Taffarel tomou apenas dois gols em 1990, quando o Brasil caiu nas oitavas de final, e depois três em 1994, na campanha do tetracampeonato mundial, e mais dez em 1998, ano que a seleção nacional caiu por 3 a 0 diante da França na decisão.

Publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade