Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Julgamento de Pistorius é retomado; promotor diz que atleta mente

<p>Atleta paralímpico é acusado de assassinar a ex-namorada Reeva Steenkamp</p>

Por Da Redação Atualizado em 11 jan 2022, 19h38 - Publicado em 7 ago 2014, 15h59

O julgamento do sul-africano Oscar Pistorius foi retomado nesta quinta-feira, em Pretória, com a sustentação oral do promotor-chefe do caso, Gerrie Nel. De acordo com Nel, o atleta paralímpico mentiu repetidamente para tentar convencer o júri de sua inocência. Acusado de ter premeditado a morte de sua namorada, Reeva Steenkamp, em fevereiro do ano passado, Pistorius alegou ter confundido a modelo com um ladrão.

Leia também:

Oscar Pistorius vende casa para pagar advogados

Oscar Pistorius é expulso de boate após briga

Pistorius tem tendências suicidas desde morte da namorada

Nel citou diversas falhas na versão de Pistorius. Segundo o promotor, a defesa do atleta adotou mais de uma teoria sobre o que aconteceu na noite em que Pistorius atirou em Reeva por meio da porta do banheiro de sua casa. Antes de alegar que Pistorius confundiu a namorada com um ladrão, os advogados levantaram a hipótese de ele ter atirado acidentalmente, porque acordou “assustado”.

Continua após a publicidade

“São duas defesas que você não pode conciliar”, disse Nel, diante de Pistorius, que aparentou calma, em contraste com ocasiões passadas nas quais chorou e até vomitou. Nel ainda acusou o corredor de estar “mais preocupado em se defender do que dar ao tribunal uma versão lógica”. A promotoria argumentou que Pistorius atirou intencionalmente em Reeva durante a madrugada de 14 de fevereiro de 2013 depois de uma briga.

Continua após a publicidade

Leia também:

Exames apontam que Pistorius não tinha desordem mental

‘Ele chorava muito, sofria’, diz testemunha do caso Pistorius

Promotor diz que Pistorius ajustou mira antes de atirar

O promotor disse ainda que Pistorius deve ser condenado por assassinato, mesmo que o tribunal aceite que ele não sabia que era Reeva quem estava no banheiro. “Ele atirou e matou uma pessoa sem ter nenhuma razão para acreditar que sua vida estava ameaçada.”

Defesa – Barry Roux, o chefe da equipe de advogados de defesa de Pistorius, sustentou a versão de que o atleta se confundiu e afirmou que a cena do crime foi adulterada pelos investigadores. Após a sessão de hoje, o processo, iniciado em 3 de março, será retomado nesta sexta-feira para as conclusões finais dos advogados de defesa.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade