Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Julgamento de Oscar Pistorius é adiado para maio

O atleta é acusado de matar a namorada a tiros depois de uma discussão

Por Da Redação 16 abr 2014, 13h22

O julgamento de Oscar Pistorius pelo assassinato da namorada Reeva Steenkamp sofrerá nova paralisação. Nesta quarta-feira, a juíza Thokozile Masipa anunciou o adiamento da avaliação do caso por mais duas semanas, a partir desta quinta-feira, com a sua retomada marcada para o dia 5 de maio, na cidade de Pretória, na África do Sul. A juíza concedeu a mudança, em resposta a um pedido de recesso feito pela acusação, apoiado também pela defesa. O julgamento de Pistorius, que começou no dia 3 de março, estaria durando “mais tempo do que o esperado”, de acordo com Thokozile. O coordenador da defesa, Barry Roux, afirmou que chamará entre 14 e 17 testemunhas.

Leia também:

Promotor diz que Pistorius ajustou mira antes de atirar

Promotor força Pistorius a ver foto da cabeça de Reeva

Pistorius: ‘Estava tentando proteger Reeva… Peço perdão’

Continua após a publicidade

Pistorius vomita durante a descrição da autópsia de Reeva

Também nesta quarta-feira, um perito chamado pela defesa ofereceu uma versão diferente da ordem dos tiros que mataram a namorada de Pistorius, sugerindo que ela tinha estendido o braço direito até a maçaneta da porta do banheiro, quando foi atingida pelos disparos. O depoimento de Roger Dixon, um ex-policial, contradisse partes das evidências apresentadas por especialistas balísticos e um patologista. Dixon disse que, na sua opinião, Reeva foi atingida em uma rápida sucessão por dois tiros quando ele estava de pé ao lado da porta e declarou acreditar que ela poderia estar com o braço direito estendido e com a mão na maçaneta da porta, como se fosse abri-la, ao ser alvejada.

O especialista em balística Christiaan Mangena havia afirmado que o primeiro tiro atingiu Reeva no quadril, mas o segundo não a alcançou. O tiro que a atingiu no braço teria ocorrido quando ela cobriu a cabeça para tentar se proteger após cair dentro do banheiro. A defesa usou o testemunho de Dixon para criar dúvidas sobre a versão da acusação, de que Reeva se escondeu no cômodo durante uma briga nas primeiras horas de 14 de fevereiro de 2013. O promotor Gerrie Nel argumentou que Pistorius atirou através da porta enquanto ela olhava para a frente e discutia com o namorado.

Pistorius é acusado de ter premeditado o assassinato da namorada. Ele argumenta que atirou por engano na modelo, porque achava que a casa estava sendo invadida. A acusação defende que ele a matou após uma discussão.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade