Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Juiz inclui Messi em processo de fraude fiscal

Jogador e seu pai são acusados de três crimes contra a Receita espanhola

Um juiz da cidade de Gavà, na província de Barcelona, rejeitou o pedido da procuradoria de arquivar a acusação de fraude fiscal contra o atacante Lionel Messi. Com isso, a Justiça espanhola ordenou o seguimento da causa, na qual o craque argentino pode ir a julgamento junto com seu pai, Jorge Messi, por três delitos contra a Fazenda espanhola.

Leia também:

Messi paga R$ 15,5 mi após as acusações de fraude fiscal

Espanha: Messi comparece a audiência sobre sonegação fiscal

Larissa Riquelme: ‘Messi me ofereceu dinheiro em troca de sexo’

Em um auto, o titular do juizado de instrução número 3 de Gavà mantém a acusação contra o jogador do Barcelona e dá dez dias à procuradoria e ao advogado do Estado para que solicitem a abertura de julgamento oral ou a suspensão da causa. O juiz rejeitou a pretensão da procuradoria de arquivar a causa contra Messi e mantê-la apenas contra seu pai.

Em julho, Messi havia sido inocentado pela promotoria, que considerou que o jogador não tinha conhecimento nem participação nos delitos cometidos por seu pai. Desta vez, no entanto, a Justiça considerou que há indícios suficientes para considerar que Lionel Messi consentiu, deliberadamente, com a “manutenção de uma estrutura societária fictícia, que tinha como única finalidade eludir o cumprimento das obrigações tributários derivadas da receita gerada pela exploração de seus direitos de imagem”.

Messi e seu pai são acusados de não terem declarado à Receita espanhola 4,1 milhões de euros (cerca de 12 milhões de reais), referentes aos direitos de imagem do jogador. Recentemente, Lionel Messi se tornou o maior contribuinte da Espanha ao pagar 53 milhões de euros (160,5 milhões de reais) ao fisco do país em 2014. Na cifra estão incluídos impostos por salários e direitos de imagem correspondentes a 2013, mais 22,4 milhões de euros em punição pela não declaração de seus direitos de imagem nos anos de 2010, 2011 e 2012.

(Com agência EFE)