Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Judô: brasileiro Daniel Cargnin conquista a medalha de bronze em Tóquio

Lutador gaúcho se recuperou de um quadro de Covid pouco antes dos Jogos e cravou seu nome na história do judô brasileiro

Por Luiz Felipe Castro Atualizado em 25 jul 2021, 09h17 - Publicado em 25 jul 2021, 07h18

O judoca brasileiro Daniel Cargnin conquistou a medalha de bronze, a segunda premiação do Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio, na madrugada deste domingo, 25, na categoria até 66 quilos. O palco não poderia ser melhor: o Nippon Budokan, considerado o templo das artes marciais. Na decisão pelo terceiro lugar, Cargnin superou o israelense Baruch Shmailov com um wazari.

Cargnin, de 23 anos, nascido em Porto Alegre e criado em Canoas (RS), superou uma grande dificuldade para chegar ao pódio. No fim de maio deste ano, ele testou positivo para a Covid-19, e não pôde participar do Mundial de Budapeste, na Hungria, último teste antes dos Jogos.

  • Daniel Cargnin
    Daniel Cargnin é medalhista de bronze Gaspar Nóbrega/COB/Divulgação

    Recuperado, cravou seu nome na história do judô brasileiro e dedicou a conquista à mãe. “A gente sonhou isso junto, vou ser bem sincero, queria ligar para ela e falar que valeu a pena. (…) Desde a pandemia, machuquei duas ou três vezes, não fui ao Mundial porque peguei Covid-19, e pensei que não estava dando certo. Me esforcei bastante, fiquei na casa dela, com todo o suporte. Não caiu a ficha ainda”, disse, emocionado, em entrevista à Rede Globo.

    “Estou muito feliz. Me preparei muito. Só eu, meus amigos e minha família sabemos o quanto eu sofri quando a Olimpíada foi adiada. Sempre tive um sonho de medalhar aqui em Tóquio. Estou muito feliz com o processo que eu tive. Sem o apoio de todos os meus amigos, teria sido muito difícil”, completou ao COB.

    Na primeira rodada, Cargnin venceu o egípcio Mohamed Abdelmawgoud no golden score, com um ippon nos primeiros segundos. Nas oitavas de final passou por Denis Vieru, da Moldávia, também no golden score, com um waza-ari.

    Continua após a publicidade

    Nas quartas de final, o brasileiro superou o número 1 do mundo, o italiano Manuel Lombardo, ao imobilizar o rival com um waza-ari faltando poucos segundos para o fim. Na semifinal, porém, foi derrotado pelo japonês bicampeão mundial Hifumi Abe. Esta foi a 23ª medalha do judô brasileiros em Jogos Olímpicos. 

    Continua após a publicidade
    Publicidade