Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Jornal italiano escolhe manchete infeliz para tratar de jogadores negros

O Corriere dello Sport parece ter ignorado a escalada de demonstrações racistas no futebol europeu e foi criticado pelos próprios leitores

Por Da Redação - 5 dez 2019, 12h02

O jornal italiano Corriere dello Sport alimentou ainda mais a discussão sobre o racismo no futebol italiano nesta quinta-feira 5. A publicação colocou na capa do diário os jogadores Romelu Lukaku, da Inter de Milão, e Chris Smalling, da Roma, ao lado da chamada “Black Friday” para se referir ao jogo entre as duas equipes nesta sexta-feira, pelo Campeonato Italiano.

A capa de gosto duvidoso repercutiu nas redes sociais e recebeu diversas críticas no mundo todo. Leitores do jornal responderam à publicação no Twitter afirmando que a escolha era uma vergonha e iriam cancelar a assinatura.

Jornal italiano Corriere dello Sport estampou Romelu Lukaku e Chris Smalling na capa com a manchete ‘Black Friday’ Corriere dello Sport/Reprodução

O técnico da Roma Paulo Fonseca criticou a escolha de palavras do jornal. “Precisamos ter mais cuidado quando falamos de problemas relacionados ao racismo”. Lukaku e Smalling ainda não se manifestaram.

O episódio se soma a uma série de casos de racismo que assolam a Itália nesta temporada. O atacante belga da Internazionale tem sido alvo de manifestações em vários estádios do país e se posicionou diversas vezes pedindo uma ação da Federação de Futebol. Até agora, as punições foram brandas.

Publicidade

Os casos afetam até os próprios italianos, mostrando que a questão não é xenófoba, mas se refere à cor de pele dos jogadores. O italiano Mario Balotelli voltou ao futebol italiano para defender o Brescia nesta edição do campeonato e sofreu com insultos racistas em uma partida contra o Verona. A punição foi um jogo com apenas parte das arquibancadas fechadas.

O Corriere dello Sport se posicionou após a enxurrada de críticas que recebeu. Em um duro editorial, não se desculpou. Apenas disse que as redes sociais são “caixotes de lixo” e afirmou que “negar a diferença é o típico obstáculo macroscópico do racismo anti-racismo”.

Publicidade