Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Jornal: grupo denuncia fraude na venda de Neymar e diz que cobrará R$ 85 milhões

Investidores afirmam ter direito a receber 40% do valor de "benefícios injustificados" das negociações entre Santos, Barcelona e o atacante

O DIS, grupo de investidores que era dono de 40% do passe de Neymar antes de sua ida para o Barcelona, diz haver fortes indícios de fraude na transferência do ex-jogador do Santos para o clube espanhol. O grupo pretende cobrar 25 milhões de euros (cerca de 85 milhões de reais) do Barcelona, do Santos e do próprio atleta pelas irregularidades. As informações são do diário Folha de S.Paulo desta quinta-feira.

Leia também:

Promotoria da Espanha pede prisão de dirigentes do Barcelona por contratos de Neymar

Pai de Neymar é convocado para depor na Espanha

Caso Neymar: presidente do Barça nega fraude e culpa antecessor

Ex-presidente do Santos terá de pagar R$ 20 mil a pai de Neymar por danos morais

Em documento obtido pelo jornal, o DIS afirma que os contratos foram feitos para prejudicar os investidores e diz que a N&N, empresa do pai de Neymar, é “sociedade de fachada”. O advogado Paulo Magalhães Nasser afirmou que os contratos assinados entre as partes foram “deliberadamente simulados com o objetivo de fraudar os direitos econômicos” da DIS.

Os investidores sustentaram a tese de que Neymar recebeu 40 milhões de euros do Barcelona ainda em 2011, como garantia de que fecharia com o clube no futuro. O DIS, que não recebeu nada por isso, alega ter direito a 40% deste valor (16 milhões de euros) e cita outros dois “benefícios injustificados” – um, no valor de 7,9 milhões de euros, referente ao direito de preferência na compra de jovens atletas, e outro, de 4,5 milhões de euros, pelo cancelamento de um amistoso entre Santos e Barcelona, que deveria acontecer no Brasil. Somados todos os valores, o DIS afirma ter direito a 25 milhões de euros na negociação.

O escândalo envolvendo a negociação de Neymar já se arrasta por quase dois anos. Há duas semanas, o Ministério Público da Espanha pediu uma pena de dois anos e três meses de prisão para o atual presidente do Barcelona, Josep Maria Bartomeu, e sete anos para seu antecessor, Sandro Rossell, por crimes fiscais cometidos na transação.

(da redação)