Clique e assine a partir de 8,90/mês

Jogador infectado que causou suspensão da NBA havia zombado do coronavírus

Rudy Gobert, pivô francês do Utah Jazz, tocou nos microfones de jornalistas para ironizar o Covid-19; outro colega de equipe já teve infecção confirmada

Por Da Redação - Atualizado em 12 mar 2020, 13h31 - Publicado em 12 mar 2020, 12h54

O coronavírus chegou à NBA e provocou uma avalanche de desdobramentos. Tudo começou com o pivô francês Rudy Gobert, que ironizou na última segunda-feira 9 os protocolos para evitar o contágio da pandemia. O jogador do Utah Jazz esfregou propositalmente as mãos nos microfones de repórteres, após deixar a sala de coletivas e, dois dias depois, foi diagnosticado com o Covid-19, causando uma verdadeira confusão na equipe, que já tem mais um caso confirmado, e paralisando a liga americana de basquete.

Segundo o jornalista americano Adrian Wojnarowski, os jogadores do Jazz admitiram que Gobert estava sendo descuidado no vestiário, tocando em seus companheiros e em seus pertences. O francês do Utah Jazz testou positivo segundos antes do início da partida contra o Oklahoma City Thunder, na última quarta, que ocasionou a suspensão completa do restante da temporada regular. Confira, abaixo, o momento da infeliz brincadeira de Gobert com jornalistas:

Os jogadores já estavam posicionados para o início da partida, quando Chris Paul, armador do Thunder foi em direção ao banco dos adversários para perguntar o que tinha acontecido com Gobert. Os jogadores do Utah imediatamente disseram para ele se afastar. O médico do time de Oklahoma, então, explicou a situação para os árbitros, que, após reunião em quadra, pediram para as equipes se retirarem.

O jogo foi cancelado sem maiores explicações e os torcedores precisaram deixar a Chesapeake Energy Arena, em Oklahoma City. Horas depois, a notícia do contágio de Rudy Gobert, que não estava no ginásio, mas estava na cidade, foi confirmado. Os jogadores do Thunder fizeram poucos exames e deixaram a arena para realizar testes de coronavírus. Os do Utah, porém, tiveram de ficar por mais de cinco horas em quarentena nos vestiários, até receberem a liberação das autoridades para retornarem ao hotel.

Os jogadores do Utah Jazz ainda aguardam os próximos passos para voltarem para casa, na cidade de Salt Lake City. Segundo informações do jornalista americano Royce Young, uma das opções para o retorno seria em dois aviões: um para quem testar positivo e um para quem não está com coronavírus. O armador Donovan Mitchell, principal jogador da equipe, também teve caso de Covid-19 confirmado nesta quinta.

Os membros do Boston Celtics, Detroit Pistons, New York Knicks, Cleveland Cavaliers e Toronto Raptors também precisarão ficar em quarentena, pois jogaram contra o Jazz nos últimos 10 dias. A situação pode piorar ainda mais, pois as 30 equipes da NBA se conectaram direta e indiretamente nos últimos cinco dias, o que comprova um certo atraso da liga para suspender os jogos.

Continua após a publicidade

Possível despedida

A noite aterrorizante na NBA não parou por aí. Em seu último ano como profissional, o ala Vince Carter, único jogador da história a participar de quatro décadas de liga (estreou na de 90 e chegou até os anos 2020), passou por uma situação inusitada. O atleta do Atlanta Hawks, de 43 anos, foi homenageado por seus torcedores ao final da partida contra o New York Knicks, pois todos já haviam sido informados sobre a suspensão da temporada e ninguém sabe se ou quando continuará.

“É um jeito estranho de dizer que estou terminando minha carreira. Uma noite tão estranha, mas sou verdadeiramente grato por cada pessoa durante esses 22 anos. Se é isso mesmo, agradeço a todos por seu amor e apoio em todos esses anos”, declarou Carter, em suas redes sociais.

Continua após a publicidade
Publicidade