Clique e assine a partir de 9,90/mês

Insatisfeitos, suecos também deixam a Vila Olímpica

Gerente do Comitê Olímpico da Suécia disse que obras inacabadas refletem problema econômico do país. "É assim que as coisas acontecem no Brasil"

Por Da redação - 26 jul 2016, 10h30

A delegação da Suécia repetiu a atitude dos australianos e deixou a Vila Olímpica da Rio-2016 na noite desta segunda-feira, alegando problemas nos banheiros, limpeza e acabamento dos apartamentos. Os suecos pegaram táxis e seguiram em direção a condomínios próximos ao Parque Olímpico, na Barra da Tijuca. Os custos com hospedagem e alimentação serão arcados pela delegação do país europeu.

O gerente do Comitê Olímpico Sueco (SOC), Peter Reinebo, lamentou as condições da Vila Olímpica. “Tudo é recém-construído, mas ainda não está tudo pronto. Existem problemas com parte da infraestrutura das casas. Não há agua quente em todos os apartamentos e nem todos os sistemas de esgoto funcionam”, afirmou o dirigente em entrevista ao jornal sueco Expressen.

Leia também:
Jornal espanhol critica Vila: “Procura-se encanador’
Argentinos também reclamam da Vila Olímpica

Austrália rebate Paes: ‘Precisamos de encanadores, não cangurus’

“É uma batalha de tempo, mas acho que vai dar tudo certo. Dentro de três ou quatro dias acho que eles se recuperam. Tivemos grandes grupos trabalhando muito aqui ontem e hoje. Eles estão atrasados, mas lutando, e nós vamos lutar em seguida também”, acrescentou Reinebo. O sueco também falou sobre a crise econômica do país. Segundo ele, a “estagnação e as condições dos trabalhadores contribuem para esses atrasos” e  “é assim que as coisas acontecem no Brasil”

Apesar dos problemas nos primeiros dias de funcionamento da instalação, a chegada dos estrangeiros continua. Membros da Grã-Bretanha deram entrada na Vila Olímpica na manhã desta terça-feira. O Comitê Rio-2016 promete que os reparos nos apartamentos serão feitos até quinta-feira.

Continua após a publicidade

Para corrigir os problemas, a organização conta com o reforço de mais de 600 novos trabalhadores. Encanadores, eletricistas e trabalhadores da área de limpeza são os responsáveis pela “força tarefa” depois de australianos e argentinos classificarem a Vila Olímpico do Rio como “inabitável”.

(com Estadão Conteúdo e Gazeta Press)

Publicidade