Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Indiferente, Castán cita antigo duelo com Cássio e amizade com Julio

Por Da Redação 30 abr 2012, 00h01

Amigo de Julio Cesar, Leandro Castán não quis se envolver na saída do goleiro para a entrada de Cássio, novo titular que já foi oponente do zagueiro há alguns anos. O defensor ressalta a confiança do elenco em qualquer um que for escolhido por Tite para enfrentar o Emelec nesta quarta-feira, no Equador, na primeira partida das oitavas de final da Libertadores.

‘Vamos estar super confiantes com quem jogar. Sempre joguei com Julio desde que cheguei ao Corinthians e não perdi a confiança nele, mas tanto ele quanto o Cássio, o Danilo (Fernandes) e o Matheus dão conta do recado’, afirmou Castán à TV Gazeta durante o programa ‘Mesa Redonda ‘na noite deste domingo.

O jogador concedeu a entrevista exclusiva pouco após, junto com os outros relacionados para viajar ao Equador no início da manhã desta segunda-feira, se apresentar para a concentração no CT Joaquim Grava. E tentou passar confiança ao goleiro que perdeu a vaga no time por falhar duas vezes na derrota para a Ponte Preta, no domingo passado, que eliminou o Corinthians nas quartas de final do Campeonato Paulista.

‘O Julio é superquerido, antigo no Corinthians é amigo meu, conheço a família dele. Logo depois do jogo, liguei para ele e mandei mensagem. Ele está tranquilo e respeita O Cássio que vai jogar agora’, disse o zagueiro, que até se desculpou com o arqueiro por não ter visto o tiro de meta que bateu em suas costas e gerou o terceiro gol da Ponte. ‘Mas ele falou que foi erro dele. Só que não conseguimos fazer um bom primeiro tempo, não se pode falar que o Julio tirou o Corinthians do Paulista’, defendeu.

Em relação a Cássio, a confiança do jogador vem de um antigo duelo antes de ambos se encontrarem no Timão neste ano. ‘Ele é bastante alto, já tive oportunidade de jogar contra ele. E é experiente, já jogou na Europa. Vai estar supertranquilo’, apostou, negando qualquer interferência dos atletas na troca no gol.

‘Isso não existe. Nosso grupo é muito fechado e unido. Respeitamos muito o Julio e todos os goleiros. Não seria ético dizer que preferimos um. E não é a minha função escolher o goleiro’, opinou, otimista para o confronto no Equador.

‘O grupo sentiu um pouco eliminação para a Ponte, não esperávamos perder nas quartas de final, mas levantamos a cabeça, estamos bastante focados. Estamos muito bem nesta competição e vacinados pelo que aconteceu no domingo passado. Já sabemos alguma coisa do Emelec que o Tite passou na semana, é um time que procura muito a bola aérea. Vamos trabalhar bastante para conseguir resultado positivo’, comentou.

Continua após a publicidade
Publicidade