Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Humoristas do ‘Canal Plus’ defendem direito à sátira

Por Da Redação 8 fev 2012, 13h42

Paris, 8 fev (EFE).- Ameaçados de processo por parte da Federação Espanhola de Tênis (RFET) por terem feito um vídeo em que insinuam que os atletas da Espanha vencem porque competem dopados, os humoristas da TV francesa ‘Canal Plus’ defenderam nesta quarta-feira o direito de fazerem caricaturas e sátiras.

‘Os responsáveis pelo programa não entram em polêmicas, porque se fizessem isso nunca mais parariam. A cada dia, há pessoas descontentes com suas paródias’, declarou à Agência Efe um porta-voz do ‘Canal Plus’.

‘O programa busca a sátira e a caricatura, e nesse trabalho a televisão lhes dá liberdade absoluta de criação. A caricatura é uma tradição francesa, e ‘Les Guignols de l’info’ (nome do programa) fazem isso há muitos anos’, acrescentou.

O porta-voz lembrou que atletas franceses também já foram alvo de sátiras, como em uma famosa paródia sobre o ciclista Richard Virenque no meio do escândalo de doping envolvendo a equipe Festina.

No vídeo, o atleta era picado por um mosquito que, após absorver seu sangue, apresentava atitudes excepcionais.

Continua após a publicidade

A emissão da sátira aos espanhóis, relacionada à punição imposta ao ciclista Alberto Contador por doping, provocou uma grande polêmica na Espanha, enquanto na França passou quase despercebida.

No vídeo, o apresentador afirma que, após a suspensão de Contador, ‘resta à Espanha apenas um atleta acima de qualquer suspeita’, em referência a Nadal.

O porta-voz revelou que ainda não foi notificado do processo anunciado pela RFET e que, quando o canal for avisado oficialmente, serão seus advogados que se pronunciarão.

O presidente da RFET, José Luis Escañuela, justificou o processo dizendo que ‘chegou o momento de impor certos limites’.

‘Chegar a alcançar o status que atualmente tem o esporte espanhol não é nenhum presente. O que foi alcançado se tornou possível por meios lícitos, e não podemos permitir que ninguém insinue o contrário’, declarou Escañuela. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade