Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Hiroshima bate Auckland na abertura do Mundial no Japão

Agora, equipe japonesa pega o Al-Ahly - e quem vencer encara o Corinthians

Por Da Redação 6 dez 2012, 09h56

Mais organizados em campo, os japoneses pressionaram e marcaram o gol da vitória no segundo tempo

O Mundial de Clubes de 2012 já tem uma equipe eliminada. Na primeira partida do torneio, nesta quinta-feira, o Sanfrecce Hiroshima, do Japão, contou com a fragilidade técnica do Auckland City, da Nova Zelândia, para vencer por 1 a 0, em Yokohama, e avançar no lado da chave em que está o Corinthians. Aoyama marcou o único gol do jogo após uma falha do goleiro Williams, em chute de fora da área, no segundo tempo. Depois de desclassificar o representante da Oceania na estreia, os japoneses agora enfrentam o Al-Ahly, do Egito, no domingo, em Toyota. O vencedor do confronto será o adversário do Corinthians em 12 de dezembro, na mesma cidade.

Leia também:

Corinthians desembarca no Japão e já entra em trem-bala

Corinthians se anima com a torcida presente até em Dubai

Continua após a publicidade

Fifa destaca fanatismo de corintianos na despedida em SP

Uso da tecnologia no gol é uma ‘revolução’, garante a Fifa

Contando com o apoio de uma animada e barulhenta torcida em Yokohama, o Sanfrecce Hiroshima tomou a iniciativa de atacar desde os primeiros minutos de partida. Não poderia ser diferente. O Auckland City deu diversas provas de que tinha muitas dificuldades técnicas. Apesar de contar com um treinador espanhol (Ramón Tribulietx) e até com jogadores do país campeão da última Copa do Mundo, o time neozelandês mostrou um futebol muito fraco. A solução para encurtar o caminho para o ataque foi chutar a bola para a frente de qualquer maneira, sem direção. Já o Sanfrecce ao menos tinha ao seu lado a velocidade e o vigor físico comum às equipes asiáticas.

Mais organizados em campo, os anfitriões chegaram a acertar a trave logo aos 18 minutos. Takahagi cobrou escanteio fechado, com força, e quase marcou o gol olímpico. O Sanfrecce se entusiasmou com o lance perigoso e continuou no ataque. Restava, no entanto, ser mais incisivo. O time japonês só se aproximava do gol com mais efetividade através das trapalhadas da defesa do Auckland City. Nos minutos finais da primeira etapa, o Sanfrecce diminuiu o ritmo e também proporcionou algumas oportunidades de gol ao Auckland. Feneridis teve várias chances de finalizar ou colocar a bola na área em lances de bola parada, mas faltou pontaria.

No começo do segundo tempo, o Sanfrecce retomou a pressão. Takahagi arriscou a conclusão forte de fora da área aos cinco minutos e mandou a bola na trave outra vez. Pouco depois, Koji Morisaki tirou proveito de um cruzamento da direita e cabeceou com estilo na pequena área. Williams, com bom reflexo, fez a defesa. Mas aos 20 minutos, o goleiro falhou: Aoyama bateu de longe e Williams não alcançou. Em desvantagem no placar, o técnico do Auckland fez duas substituições, mas não adiantou. O time neozelandês não tinha condições técnicas de mudar seu modo de atuar e ameaçar a classificação do Sanfrecce Hiroshima em Yokohama.

(Com agência Gazeta Press)

Continua após a publicidade
Publicidade