Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Henrique critica ambiente do Verdão e pensa em ‘respirar novos ares’

Quando voltou para o Palmeiras em julho, Henrique disse que se sentia em casa. O zagueiro buscava repetir o sucesso de 2008, mas acabou vendo o clube passar por um sequência de crises tanto em campo, quanto nos vestiários. As turbulências recentes fazem o jogador olhar com bons olhos para o interesse do Grêmio em contratá-lo.

‘Fico feliz com o interesse do Grêmio. É um grande clube. Tenho que pensar em mim, na minha família e conversar com o meu empresário (Marcos Malaquias) para poder decidir alguma coisa’, disse à Rádio Bandeirantes.

Depois de temporadas sem grande destaque pelo Bayer Leverkusen, da Alemanha, e Racing Santander, da Espanha, Henrique conseguiu que o Barcelona o emprestasse por um ano ao Palmeiras. O zagueiro chegou empolgado, mas logo viu que o ambiente do clube não era o mesmo de três anos atrás, quando o time havia conquistado o Campeonato Paulista.

As eliminações no Estadual e na Copa do Brasil (que ocorreram antes de sua chegada), e as polêmicas envolvendo o atacante Kleber, primeiro por conta de uma proposta do Flamengo e depois devido a uma briga com Felipão, influenciaram diretamento no futebol da equipe e do próprio Henrique.

‘Isso afeta os jogadores, sim. Aconteceram muitas coisas, coisas que prejudicam o time, o grupo. Tudo isso tem que ser pensado, analisado, porque é ruim para qualquer jogador’, afirmou o zagueiro, que chegou a ser convocado para a Seleção Brasileira após seu retorno para o Superclássico diante da Argentina – mas não entrou em campo. Ele ainda perdeu espaço no Verdão, ficando no banco em algumas partidas, mas terminou o ano como titular ao lado de Leandro Amaro.

‘Estou feliz no Palmeiras, mas às vezes podemos respirar novos ares. O Grêmio é um clube grande, de tradição. Vamos decidir o que é melhor para todos’, declarou Henrique, sabido que o Palmeiras precisa liberá-lo para um eventual acerto com o clube gaúcho. ‘A maior dificuldade é conseguir a liberação. Seria a primeira coisa a se conversar’, analisou.