Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Haas confirma Pietro Fittipaldi como piloto de testes: ‘Um grande passo’

Em Interlagos, piloto de 22 anos, neto do bicampeão Emerson Fittipaldi, falou sobre a emoção de entrar para um time de Fórmula 1

Por Alexandre Senechal, Luiz Felipe Castro Atualizado em 9 nov 2018, 21h08 - Publicado em 9 nov 2018, 15h18

O sobrenome Fittipaldi está oficialmente de volta à Fórmula 1. A equipe Haas anunciou nesta sexta-feira, 9, a contratação de Pietro Fittipaldi, de 22 anos, como seu novo piloto de testes e desenvolvimento. O neto do bicampeão mundial Emerson Fittipaldi – ele é filho de Juliana Fittipaldi, filha de Emerson, e Carlos Cruz – celebrou a novidade no paddock de Interlagos, onde sonha pilotar na categoria mais importante do automobilismo – e onde acontece no próximo domingo, às 15h10 (de Brasília), o GP do Brasil.

“É uma grande oportunidade, um passo importante em busca do meu sonho que é poder pilotar na Fórmula 1”, contou o jovem, que nasceu em Miami, mas tem nacionalidade brasileira. Pietro correu em 2018 na Fórmula Indy – participou de seis etapas com a Dale Coyne Racing – e já tinha um acordo verbal com a Haas, mas foi prejudicado por um grave acidente, nos treinos para a abertura do Mundial de Endurance, dia 4 de maio, em Spa-Francorchamps, na Bélgica.

“Desde o começo do ano, já houve um contato com a Haas, eu ia fazer um treino na Hungria, em julho, mas infelizmente não pude ir por causa do acidente. Recentemente, o chefe da equipe, o italiano Günther Steiner, me perguntou sobre minha recuperação e, um mês atrás, fomos almoçar e foi aí que ele me ofereceu essa grande oportunidade.”

Pietro pilotará um carro de Fórmula 1 pela primeira vez na vida ainda este ano, dias após o GP de Abu Dhabi, nos teste dos novos pneus Pirelli para jovens pilotos. Ele se diz preparado para a mudança de categoria.

“Será muito diferente, porque o carro da Indy é feito para pista mista e oval, por isso tem de ser mais pesado, para proteger o piloto. O carro da Fórmula 1 é uma espaçonave, vai ser muito legal dirigir. Nunca guiei um F1, mas sei que tem muita carga aerodinâmica, vai ser muito rápido nas curvas, uma das dificuldades no começo será a de ter confiança de entrar numa curva rápida e saber que o carro vai grudar na pista.”

Continua após a publicidade

Pietro não sabe ainda como será sua rotina de treinamento em 2019, mas espera ter oportunidades não apenas no simulador, mas também nas pistas. “Não sei ainda, a equipe que define. Agora sou contratado pela Haas e vou estar a serviço deles, mas como a Fórmula 1 tem, se não me engano, 12 treinos, devo participar de alguns desses. Vou viajar com eles para todas as corridas”, contou.

O jovem se disse acostumado ao trabalho em simuladores e explicou suas vantagens. “Todo piloto jovem se adapta ao simulador, nós nascemos jogando videogame, né (risos)?. Isso ajuda sim a desenvolver acertos do carro e quando você não conhece uma pista, como os gráficos são perfeitos, dá para memorizar ponto de freada, o traçado, nisso o simulador ajuda muito.”

Em 2018, com a saída de Felipe Massa, o Brasil ficou pela primeira vez sem um representante nas pistas de F1 desde 1969, ano que antecedeu justamente a estreia de seu avô, Emerson Fittipaldi. Em 2019, além de Pietro na Haas, o mineiro Sérgio Sette Camara será piloto de testes na McLaren.

Velocidade nas veias

Pietro mantém os pés no chão e faz questão de ressaltar que sua história na Fórmula 1 está apenas começando, mas almeja repetir os feitos de outros familiares, especialmente do avô Emerson, que recebeu a notícia de contratação na véspera do anúncio oficial. “Falei com ele ontem, dei a notícia, ele ficou muito muito feliz, assim como a família toda. Meu avô vem para cá esse fim de semana e vou poder dar um abraço nele.”

Pietro também aposta em seu irmão, Enzo, de 17 anos, que já treina na academia Ferrari, na Itália, e o acompanhou no GP do Brasil. “O Enzo é muito rápido. Nos falamos sempre, este ano foi mais difícil de vê-lo por causa do meu acidente e porque morei nos Estados Unidos, mas ia sempre às corridas dele para torcer e dar bronca também se for preciso. Mas ele é muito muito rápido, tem um futuro muito grande pela frente. Já é um piloto Ferrari junior e vamos ouvir muito falar dele nos próximos anos.”

Pietro Fittipaldi e Enzo Fittipaldi posam para foto no Autódromo de Interlagos, zona sul de São Paulo (SP), às vésperas do GP do Brasil de Fórmula 1 – 09/11/2018 Heitor Feitosa/VEJA.com
Continua após a publicidade

Publicidade