Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Guindaste cai sobre parte do Itaquerão e mata 2 operários

De acordo com engenheiros no local, o acidente ocorreu porque o solo cedeu mais que o previsto. Prazo para a entrega do estádio terminaria em 5 semanas

Por Da Redação 27 nov 2013, 12h29

O acidente acontece a cinco semanas do fim do prazo estabelecido pela Fifa para a entrega do estádio. O Corinthians pleiteou uma extensão, mas a entidade exigiu ver o Itaquerão pronto ainda neste ano

Um acidente destruiu parte da estrutura do Itaquerão, estádio que receberá o jogo de abertura da Copa do Mundo de 2014, nesta quarta-feira. Parte da cobertura metálica do estádio, localizado na Zona Leste de São Paulo, desabou, resultado da queda de um guindaste em um dos lados da arena, atingindo o painel de led que cobre toda a parte externa desse setor. Há pelo menos duas mortes confirmadas pelos bombeiros e Defesa Civil – as vítimas identificadas são Fábio Luiz Pereira, de 42 anos, e Ronaldo Oliveira dos Santos, de 44. Segundo informações preliminares divulgadas pelo Corpo de Bombeiros, pelo menos quatro ambulâncias e um carro da corporação estavam ao lado do estádio no momento do acidente. O ex-presidente corintiano Andrés Sanchez, encarregado pela condução do projeto, também estava no local. A expectativa era de que a obra seria entregue até o final de dezembro, dentro do prazo estipulado pela Fifa. Faltavam, portanto, cinco semanas para o encerramento dos trabalhos (sem contar a instalação das arquibancadas temporárias para o Mundial, o que seria feito só em 2014).

Leia também:

Obras de 2014 somam mais mortes que África do Sul-2010

Há 6 meses, Fifa exigiu pressa e ameaçou excluir estádio

Continua após a publicidade

Fifa lamenta tragédia em obra, que já repercute no exterior

Operários em choque. Uma das vítimas tinha três filhos

Ministério Público vai investigar causas do acidente em SP

Engenheiros da Odebrecht, empreiteira responsável pela obra, revelaram que o guindaste caiu porque o solo cedeu mais que o previsto nas medições feitas no terreno. Esse tipo de problema costuma ser corrigido eletronicamente pelo guindaste, que tem 114 metros de extensão. Nesta quarta, porém, esse sistema falhou. Quando os operários perceberam que o guindaste estava caindo, pouco antes das 13 horas, ainda houve tempo para tirar algumas pessoas de perto, inclusive um dos operadores do equipamento. Não foi possível, porém, salvar todos os funcionários que estavam no local. De acordo com a Odebrecht, a estrutura da arquibancada não foi comprometida – e a obra pode ser retomada ainda nesta semana, depois dos três dias de luto declarados pelo Corinthians. O Itaquerão está em fase final de preparação para o Mundial. Pelo último balanço, as obras já estavam 94% concluídas. Gramado e traves já estão instalados. Antes do acidente, o Corinthians planejava disputar algumas partidas do Campeonato Paulista no local. Além do jogo de abertura da Copa, dia 12 de junho, o novo estádio do Corinthians receberá cinco jogos da competição.

​No início da tarde, a direção Corinthians divulgou uma nota oficial sobre o acidente. O texto diz apenas que o clube “lamenta profundamente o ocorrido” e diz que “não há outras informações no momento”. O estádio estava orçado em 820 milhões de reais e começou a ser construído em 2011. A Odebrecht teve de lidar com sucessivos atrasos nos repasses de verbas previstos pelo Corinthians na liberação de linhas de crédito do BNDES. A demora fez com que o cronograma dos trabalhos ficasse mais apertado. O clube pleiteou uma extensão do prazo estabelecido pela Fifa para concluir a construção, mas o secretário-geral da entidade, Jérôme Valcke, disse que a entrega em dezembro era inegociável. As únicas exceções seriam as estruturas temporárias necessárias para a realização do jogo de abertura, em 12 de junho de 2014. O estádio terá capacidade para receber 48.000 torcedores, mas a instalação de duas arquibancadas provisórias atrás dos gols elevará o total a 68.000 no decorrer do Mundial. Faltam 197 dias para a abertura da Copa do Mundo no Itaquerão.

(Com reportagem de Alexandre Aragão e informações do Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade