Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Goleiro Jefferson se defende e diz que dirigente foi covarde

Capitão do Botafogo contou que pediu dispensa do jogo contra o Santos, pois estava cansado. E se revoltou com as palavras do diretor Wilson Gottardo

Por Da Redação 17 out 2014, 18h42

O goleiro Jefferson, do Botafogo e da seleção brasileira, se defendeu nesta sexta-feira das críticas por não ter atuado na derrota por 5 a 0 diante do Santos, na Copa do Brasil. O capitão botafoguense retornou ao Rio de Janeiro na quarta-feira, depois de uma longa viagem desde Cingapura, onde atuou pela seleção contra o Japão, e disse que estava liberado pela diretoria para descansar. Irritado, Jefferson alegou que houve um mal-entendido: “Isso foi uma covardia! Tem alguma coisa errada. Eu vim para o Rio, o Wilson Gottardo (diretor de futebol) nem ligou para o meu celular, ligou para o de um funcionário. Ele falou que estavam precisando de mim no jogo. Expliquei minha situação, e ele me liberou. Passaram-se quatro horas, e ele fala para a imprensa que não havia conversado comigo. Às vezes cobramos da diretoria, faz parte, mas isso foi desleal.”

Leia também:

Diretoria do Botafogo cogita punir Jefferson por não jogar

Santos goleia Botafogo por 5 a 0 e avança à semifinal

Dunga convoca de novo na próxima quinta. Clubes tremem

Depois de ironizar Felipão e o 7 a 1, Mano sofre em Minas

Em noite histórica, Atlético-MG goleia Corinthians e avança

Momentos antes do jogo, o técnico Vagner Mancini disse estar surpreso com a ausência de Jefferson, que conversou com o treinador. “Eu conversei com o Mancini, ele me deu total razão.” Maior ídolo do clube pelo qual atua desde 2009, Jefferson garantiu que não pensa em deixar o Botafogo. “Todos os jogadores me mandaram mensagem de força e apoio, falando que estavam comigo. Muitos disseram até que eu nem precisaria estar me explicando, pelo que represento para o Botafogo, pelo que fiz. Fico feliz que os torcedores também entenderem. Isso não vai manchar a minha carreira. Fiquei chateado porque foi uma grande injustiça.” A goleada sofrida no Pacaembu aumentou ainda mais a crise do Botafogo nesta temporada. Com salários atrasados há vários meses, o time é o penúltimo colocado do Brasileirão, a dez rodadas do fim. O Botafogo enfrenta o Sport, no domingo, às 18h30 (de Brasília), no Raulino de Oliveira, em Volta Redonda.

(Com agência Gazeta Press)

Continua após a publicidade

Publicidade