Clique e assine a partir de 9,90/mês

Futebol alemão presta apoio a refugiados na Europa

Bayern de Munique criará um centro de treinamento para refugiados

Por Da Redação - 3 set 2015, 13h25

No último fim de semana, todas as equipes da Liga Alemã de Futebol prestaram solidariedade aos refugiados que entram no país. Nesta quinta-feira, o Bayern de Munique anunciou que vai criar um campo de treinamentos destinado aos imigrantes que chegarem a Munique e quer arrecadar pelo menos 1 milhão de euros (pouco mais de 4,2 milhões de reais), para ajudá-los, em uma partida amistosa.

Premiê húngaro afirma que problema de refugiados não é europeu, mas alemão

“O Bayern vê como sua responsabilidade social ajudar as crianças, mulheres e homens em sofrimento, apoiá-los e acompanhá-los na Alemanha”, disse o presidente do clube, Karl-Heinz Rummenigge, em nota. Milhares de refugiados, a maioria fugindo dos conflitos na Síria, cruzaram da Hungria e Áustria para a Alemanha nas últimas semanas. A estação ferroviária de Munique tem sido o principal ponto de entrada no país. Outros milhares foram mantidos em território húngaro e causaram caos na estação de Budapeste no fim de semana.

A academia de base do Bayern criará um campo de treinamento para crianças, junto com a prefeitura de Munique. Também serão oferecidas aulas e alimentação. O time principal será acompanhado de crianças imigrantes quando entrar em campo na próxima partida em casa, contra o Augsburg.

Continua após a publicidade

Leia também

Imagem de policial carregando corpo de garoto sírio afogado simboliza crise dos refugiados

Milhares de islandeses oferecem a própria casa para hospedar refugiados sírios

Imigrantes protestam em estação de trem de Budapeste

Continua após a publicidade

Cartazes com as inscrições “Refugiados são bem-vindos” e “Bem-vindos à Alemanha” foram vistos em quase todos os jogos da Liga Alemã na semana passada. Algumas equipes levaram refugiados para assistir às partidas. A Alemanha deve receber neste ano 800.000 pessoas que buscam asilo, quatro vezes mais que em 2014, segundo disse a ministra alemã do Trabalho e Assuntos Sociais, Andrea Nahles, nesta quinta-feira. A seleção alemã, atual campeã do mundo, conta com vários atletas naturalizados ou descendentes de imigrantes, como Miroslav Klose, Lukas Podolski, Mesut Ozil, Sami Khedira, entre outros.

(com agência Reuters)

Publicidade