Clique e assine a partir de 9,90/mês

Fred, comandante da conquista: experiência e muitos gols

Líder e artilheiro, ele é a cara do Flu campeão. Só Mano parece não gostar…

Por Da Redação - 11 nov 2012, 18h07

Maior artilheiro do Flu no Campeonato Brasileiro, Fred chegou há quatro temporadas e já comandou três campanhas históricas: a salvação milagrosa de 2009 e os títulos de 2010 e 2012

Se o Fluminense garantiu seu quarto título nacional neste domingo, o craque e principal ídolo da equipe é bicampeão: Fred, líder e artilheiro, já tinha erguido a taça pelo clube em 2010. Aos 29 anos, totalmente adaptado ao Rio, o jogador carismático e boa-praça vive uma das melhores fases de sua carreira, não só pelas boas atuações como também pela idolatria da torcida. Nada mais adequado que ele fosse o grande destaque do jogo decisivo, marcando duas vezes contra o Palmeiras na vitória por 3 a 2. Só uma pessoa parece não se convencer: o técnico da seleção brasileira, Mano Menezes, segue sem dar uma chance para o centroavante voltar à equipe, que já defendeu até numa Copa do Mundo (em 2006). Para a torcida do Flu, sua ausência nas listas de convocados é uma injustiça imperdoável. Nada como um dia após o outro – o atacante terminou terminou a temporada de 2011 brigado com a torcida, depois de ser flagrado em baladas e de ser visto surfando enquanto alegava contusão para não treinar. Fred deu a volta por cima e encerra o Campeonato Brasileiro como o dono do time.

Leia também:

O tetra comprova: valeu a pena esperar pela volta de Abel

Após início discreto, Diego Cavalieri opera milagres no Flu

Depois de quatro temporadas na França, atuando pelo Lyon, Fred voltou ao Brasil em 2009, sonhando em mostrar seu futebol no Rio de Janeiro e aumentar a chance de ser convocado para a Copa de 2010, na África do Sul. A vaga na seleção não veio, mas ele ajudou a equipe a escapar do rebaixamento logo em seu ano de estreia. Com dez gols nas dez últimas partidas do Fluminense no campeonato, ele capitaneou uma campanha milagrosa – antes da arrancada final, os matemáticos calculavam que o clube tinha 98% de chances de cair para a segunda divisão. No ano seguinte, Fred sofreu muitas lesões e ficou de fora da convocação para a Copa, mas terminou o ano em festa, como um dos destaques da quebra de jejum de títulos brasileiros do Flu (o último tinha vindo em 1984). Ao lado do argentino Conca, que na sequência acertou sua transferência para o Guangzhou, da China, o atacante foi decisivo.

Em 2011, Fred marcou 22 gols em 25 jogos pelo Fluminense no Campeonato Brasileiro e se tornou o maior artilheiro do clube em uma única edição da competição. As boas atuações renderam a convocação para a seleção de Mano, que estava montando a equipe que jogaria a Copa América de 2011, na Argentina. Fred foi um dos atacantes relacionados para jogar o torneio, mas a seleção brasileira foi eliminada pelo Paraguai nos pênaltis – e Fred perdeu o lugar na renovação promovida pelo técnico. Na atual temporada, Fred chegou aos 44 gols pelo Fluminense em quatro edições do Campeonato Brasileiro, transformando-se no maior artilheiro da equipe na história da competição. Com o título já garantido, resta ao jogador mais um objetivo: seguir marcando gols nas rodadas finais para consolidar o status de artilheiro (Luís Fabiano, dos São Paulo, é seu grande concorrente). Se Mano não quer seus gols, azar: para a torcida do Flu, não existe melhor camisa 9 que Fred.

Continua após a publicidade
Publicidade