Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Fora de campo, a Copa não é assunto nosso’, diz Felipão

O técnico da seleção disse não temer protestos (como o desta segunda): 'Quem deve nos carregar até o campo é a polícia. Estamos ali apenas para jogar bola'

“Quem tem de fazer o serviço de nos carregar até o campo é a polícia. Nós estamos ali para jogar bola. Quem tem de cuidar de manifestações são a polícia e o governo”

O comando da seleção brasileira já imaginava que teria de lidar com manifestações nas ruas ao longo de sua caminhada pelo país na Copa do Mundo. Talvez não pensasse, porém, que o primeiro desses encontros ocorreria logo no primeiro dia, na apresentação dos atletas, nesta segunda-feira, no Rio de Janeiro. O ônibus da equipe foi cercado por professores em greve. Os participantes do protesto, que reuniu algumas dezenas de pessoas e pareceu altamente organizado – o grupo só chegou ao local justamente no momento em que o ônibus da seleção deveria sair – chegaram a hostilizar a equipe. Em entrevista publicada na edição desta segunda-feira do jornal O Estado de S. Paulo, o técnico Luiz Felipe Scolari comenta a relação da seleção com os protestos e garante que não há preocupação alguma do grupo com o tema.

Leia também:

Seleção se reúne no Rio, e ônibus é alvo de manifestantes

Os 23 escolhidos por Felipão, um Brasil que sabe vencer

Saiba quais são os confrontos mais frequentes das Copas

“Não houve apreensão sobre isso na Copa das Confederações e não há para a Copa do Mundo”, disse ele, garantindo que as manifestações não deverão atrapalhar a concentração do time. “Quem tem de fazer o serviço de nos carregar até o campo é a polícia. Nós estamos ali para jogar bola. Quem tem de cuidar de manifestações são a polícia e o governo. Quem tem de construir estradas não é o jogador de futebol nem a CBF. É o governo. Nós só temos de explicar a eles que a função deles é jogar bola.” Na avaliação do técnico, a Copa, dentro de campo, “está bem administrada”. “Fora de campo não é assunto nosso, da seleção ou da CBF. Você vai me dizer: ‘Ah, Felipão! Você não é um cidadão?’ Sou um cidadão sim, só que tenho de pensar que se eu posso me manifestar, será depois da Copa. E no dia 5 de outubro, expressar isso nas urnas.”

Leia também:

Daniel Alves diz que sonha com a final Brasil x Argentina

Os craques que carregaram o peso de um país nas costas

​Olho neles: coadjuvantes podem roubar a cena no Mundial

O técnico disse que o impacto dos protestos contra a Copa “não chega ao vestiário” da equipe.” Os jogadores comentam, e têm liberdade para comentar. Eu deixo à vontade. Mas só estão liberadas algumas manifestações que queiram fazer por meio de seus Twitters, Instagrams, não sei o que mais… E cada um assume o que escreve. Agora, ele é jogador de futebol brasileiro defendendo a seleção do país. Pode se manifestar, mas não é a opinião da CBF. É opinião pessoal do jogador. E que ele assuma a responsabilidade disso. Eles sabem disso. Foi passado a eles dessa forma, desde a Copa das Confederações. Todo mundo tem liberdade. Só que quando pisar na CBF… Ele está dando sua opinião particular, não do time.” Na mesma entrevista, o técnico disse que a parte da Copa que mais o preocupava, os estádios, está satisfatória. “Estádio tem. Entorno de estádio não é futebol. Os caras estão cobrando coisas que não são da Copa.”

(Com Estadão Conteúdo)