Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Fluminense promete manter o ritmo, por respeito e recorde

Abel Braga descarta poupar os jogadores nas rodadas finais do campeonato

“Se ainda há alguma marca a quebrar, é uma forma de se motivar” disse o treinador do clube campeão brasileiro

Mesmo com o título do Campeonato Brasileiro já garantido, o Fluminense promete manter o mesmo ritmo e a mesma competitividade nas últimas três rodadas. De acordo com o técnico Abel Braga, deixar de escalar seu melhor time não seria justo com as demais equipes. “Não vou liberar ninguém, até por respeito. Hoje, a situação do Sport, que está lutando contra o rebaixamento, envolve outras equipes. E eu tirar alguém não tem cabimento”, explicou o treinador, em entrevista transmitida pelo canal pago Sportv, na noite de segunda-feira. Abel citou o Sport porque a equipe pernambucana é uma das adversárias do Flu nesta reta final.

Leia também:

Fluminense, campeão brasileiro: tetra garantido com folga

Nas Laranjeiras, um clube na direção certa, por vias tortas

Fred, comandante da conquista: experiência e muitos gols

A expectativa é de que o meia Deco, desfalque nas últimas duas rodadas por causa de um estiramento na coxa direita, possa retornar à equipe titular. Caso esteja recuperado da lesão, deve reassumir a vaga no meio, em partida que pode escrever o nome do Fluminense na história dos Campeonatos Brasileiros. “Uma vitória coloca a gente em outro porcentual de aproveitamento. E, se ainda há alguma marca a quebrar, é uma forma de se motivar” disse o treinador.

Leia também:

O tetra comprova: valeu a pena esperar pela volta de Abel

Após início discreto, Diego Cavalieri opera milagres no Flu

Fred elogia ‘grupo mais unido’ da carreira e emociona Abel

Se vencer o Cruzeiro na próxima rodada, o time chega a 79 pontos e supera por um o recorde estabelecido pelo São Paulo, em 2006, quando o Brasileirão passou a ser disputado por 20 clubes. Se também superar Sport e Vasco, nas rodadas seguintes, o Flu termina o Campeonato com aproveitamento de 74,5% (85 pontos em 38 partidas). O desempenho ultrapassaria o do Cruzeiro de 2003 (primeiro ano do modelo de pontos corridos), que fez 100 pontos em 46 partidas.

(Com agência Gazeta Press)