Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Flagrada no doping, bielorrussa pode perder ouro olímpico

Aksana Miankova testou positivo em reanálise do exame dos Jogos de Pequim-2008. Seu treinador protestou, chamando a Wada de "organização terrorista"

Por da redação Atualizado em 28 jul 2016, 11h15 - Publicado em 28 jul 2016, 11h12

A bielorrussa Aksana Miankova, campeã olímpica do lançamento de martelo nos Jogos Olímpicos de Pequim-2008, pode perder a medalha retroativamente, por ter sido flagrada em reanálise de exame antidoping.

Há uma semana, o Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou que a análise do segundo rodízio de amostras colhidas nos Jogos Olímpicos de Pequim-2008 e Londres-2012 revelou 45 novos casos positivos de doping. Um deles é o de Miankova.

A atleta conquistou uma vitória surpreendente na época, já que não figurava entre as favoritas e não tinha nenhum grande título antes da prova em que levou o ouro ao lançar o martelo a 76 metros e 34 centímetros de distância.

Leia também:
Russos banidos da Rio-2016 criam competição paralela em Moscou
Isinbayeva detona ‘funeral’ do atletismo: ‘Puramente político’

Rússia acusa EUA de conspiração

Depois dos Jogos da China, Miankova jamais repetiu o desempenho. Em Londres-2012, a bielorrussa foi sétima colocada, e, atualmente, se preparava para vir ao Rio de Janeiro. Nesta quinta-feira, foi divulgado que a lançadora testou positivo em análise com novas tecnologias de amostras recolhidas em 2008, durante a competição olímpica.

O técnico da bielorrussa, Valeri Vorontsov, se revoltou com a notícia e chamou a Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) de “organização terrorista”, por tentar tirar o ouro da atleta. “Eles estão tentando esmagar o mundo eslavo. Há pressões contra a Rússia e nós também estamos sendo atingidos”, afirmou o treinador.

Caso seja confirmada a desclassificação de Miankova, o ouro ficará com a cubana Yipsi Moreno, que será, assim, bicampeã olímpica, pois havia vencido em Atenas-2004. A prata irá para a chinesa Wenxiu Zhang e o bronze para a também bielorrussa Daria Pchelnik.

(com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade