Clique e assine com 88% de desconto

Filha do técnico da Argentina ataca Messi, ‘frio e sem garra’

Vanessa Sabella diz que melhor jogador do país (e do mundo) ainda é Maradona

Por Da Redação - 13 set 2013, 16h35

Se para boa parte dos fãs de futebol em todo o planeta o argentino Lionel Messi é o melhor jogador do mundo, para a filha de Alejandro Sabella, técnico da seleção de seu país, ele ainda tem muito a provar. Em entrevista à Rádio del Plata, da Argentina, Vanessa Sabella colocou o pai em situação complicada ao fazer duras críticas ao principal jogador do país – e maior aposta dos argentinos para vencer a Copa de 2014. “Messi não tem garra, é muito frio. Tudo bem, é habilidoso, faz jogadas que poucos fariam… Mas me parece que ainda falta muita coisa”, reclamou Vanessa. Para ela, o melhor jogador do país (e do mundo) continua sendo Diego Armando Maradona. “Se alguém é o melhor do mundo, precisa jogar bem em qualquer lugar: em Barcelona, na seleção ou em qualquer time”, justificou ela, fazendo referência à queda de desempenho do atleta quando ele veste a camisa da equipe nacional.

Leia também:

Messi vem aí – mas acha que ainda ‘falta algo’ à Argentina

Argentina goleia Paraguai e garante vaga para a Copa

Publicidade

Messi paga R$ 15,5 mi após as acusações de fraude fiscal

Messi revela ótimo relacionamento com Neymar no Barça

A solução proposta pela filha de Sabella também causa surpresa: uma transferência de Messi do Barcelona para alguma outra equipe da Europa. “Se ele for para outro clube, acredito que crescerá e muito. Já evoluiu muito nos últimos anos, mas só demonstra isso no Barcelona. Agora tem que fazer igual na seleção”, insistiu. Vanessa também alfinetou o atacante Gonzalo Higuaín, afirmando que o jogador não a convence. “Prefiro o Palácio (Inter de Milão), é mais técnico.” Para finalizar, a moça aconselhou Messi a seguir o exemplo de outro jogador argentino: Di Maria. “Ele se esforça muito mais que Messi. Pude comprovar pessoalmente na Bolívia. O que correu o Di Maria, não correu nem o Messi e nem quase mais ninguém.”

(Com agência Gazeta Press)

Publicidade