Fifa questiona Rússia por punir jogador que reagiu a racismo

O ganês Emmanuel Frimpong foi expulso e suspenso por dois jogos por fazer gesto obsceno a torcedores que imitavam sons de macacos

Por Da Redação - 23 jul 2015, 15h42

A Fifa pediu explicações à União Russa de Futebol sobre o mais recente caso de racismo no país. Nesta quarta-feira, o ganês Emmanuel Frimpong, volante do FC UFA, foi suspenso por dois jogos por reagir a insultos racistas de torcedores do Spartak de Moscou, ocorridos na última sexta-feira. Na própria transmissão da partida, foi possível escutar torcedores do Spartak imitando sons de macacos em jogadas em que Frimpong participava – em uma delas, o volante reagiu exibindo o dedo médio e gritando palavrões em direção aos torcedores.

Frimpong foi expulso e suspenso por dois jogos por causa do gesto obsceno. O Spartak não sofreu punição, porque a federação russa avaliou que não havia evidência de racismo. A Rússia vai sediar a Copa do Mundo de 2018.

Leia também:

Hulk volta a ser vítima de racismo e responde com gol e beijos para torcida russa

Publicidade

Torcedores racistas do Chelsea são banidos dos estádios por 5 anos

Hulk e Ronaldo representarão Brasil no sorteio das Eliminatórias na Rússia

O chefe da divisão que trata de discriminação racial na Fifa, Federico Addiechi, disse nesta quinta que os russos têm até a próxima terça-feira para responder a um pedido de explicações do departamento disciplinar. Caso contrário, haverá punições. “Queremos saber se, para tomar a decisão, foi levada em conta a evidência que podemos ver claramente pela internet”, afirmou Addiechi, em São Petersburgo, onde acontecerá o sorteio das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018 neste sábado.

Foram registrados vários casos de racismo no futebol russo nos últimos anos. O brasileiro Hulk e o camaronês Samuel Eto’o foram algumas das principais vítimas. Os dois estarão no sorteio da Copa de 2018. “Seria ingênuo e arrogante da nossa parte dizer que vamos educar a Rússia. Não estamos em uma posição para fazer isso, não temos autoridade moral para fazê-lo”, disse Addiechi.

Publicidade

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade