Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Fifa negocia venda dos ingressos para Copas do Mundo

Por Da Redação 1 nov 2011, 08h43

A Fifa anunciou nesta terça-feira outro acordo financeiro para as Copas de 2018 e 2022, respectivamente, na Rússia e no Catar, ao confirmar a venda dos direitos de negociação de ingressos e de pacotes de hospitalidade dos dois torneios para a Match Hospitality, parceira da entidade, por 300 milhões de dólares (pouco mais de 500 milhões de reais). O acordo também cobre a Copa das Confederações e os Mundiais de Futebol Feminino que serão disputados no entre 2017 e 2023.

O negócio foi anunciado dias depois da Fifa revelar que vendeu os direitos de transmissão das Copa de 2018 e 2022 nos Estados Unidos, Austrália, Canadá e Caribe por 1,85 bilhão de dólares (3,2 bilhões de reais). Anteriormente, havia negociado a difusão dos torneios para o Oriente Médio e partes da Ásia e América Latina por 1,7 bilhão de dólares (quase três bilhões de reais). A Fifa também estendeu seu contrato de patrocínio com a Anheuser-Busch InBev para a marca de cerveja Budweiser até 2022 – o valor não foi divulgado. Anteriormente, a Match pagou 240 milhões de dólares (pouco mais de 400 milhões de reais) pelos direitos de hospitalidade das Copas de 2010, na África do Sul, e 2014, no Brasil. A empresa teve prejuízo de 50 milhões de dólares (quase 85 milhões de reais) no torneio sul-africano, mas prevê lucros no Brasil. “O programa de hospitalidade que a Match Hospitality realizou em 2010 foi um sucesso, mesmo com a delicada situação econômica desse setor de negócios naquele momento”, afirmou Thierry Weil, diretor de marketing da Fifa. A empresa licencia as vendas para agentes que têm direitos exclusivos nos mercados nacionais. A Match Hospitality tem participação majoritária dos irmãos mexicanos Jaime e Enrique Byron, radicados na Inglaterra, que vendem ingressos para a Copa do Mundo desde a década de 1980. Seus acionistas incluem a agência de publicidade japonesa Dentsu e a agência de marketing esportivo Infront Sports and Media, cujo presidente, Philippe Blatter, é sobrinho de Joseph Blatter, presidente da Fifa. A entidade anunciou na semana passada que escolheu a Infront após um processo de licitação para negociar as vendas de transmissão da Copa do Mundo em 26 países da Ásia, incluindo China, Índia e Indonésia. (Com Agência Estado

Publicidade